Com atendimento multidisciplinar, Caps trata pacientes com transtornos mentais

salvador
17.12.2019, 20:18:00
Atualizado: 17.12.2019, 20:18:18
(Max Haack/Secom)

Com atendimento multidisciplinar, Caps trata pacientes com transtornos mentais

Primeiro Caps III com atendimento 24h de Salvador foi inaugurado nesta terça

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Inaugurado nesta terça-feira (17), o Centro de Atenção Psicossocial (Caps) do tipo III do Jardim Armação é o primeiro da capital deste nível. A abertura do centro era uma demanda antiga da Associação Metamorfose Ambulante de Usuários e Familiares do Serviço de Saúde Mental (Amea), afirmou o diretor do grupo, Fabrício Carvalho.

Salvador possuía apenas um Caps III voltado para atendimento de transtornos pelo uso de álcool e outras drogas. A inauguração do novo centro significa uma melhora no tratamento para quem possui doenças psíquicas.

“Este equipamento garante o acompanhamento por uma equipe multidisciplinar para acolher as pessoas e as famílias. Assim, as pessoas conseguem ter uma vida normal. No Capes não é só a consulta, mas é todo um trabalho terapêutico que faz com que o indivíduo tenha uma vida normal”, afirmou a diretora de gestão do cuidado da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), Liliane Mascarenhas Silveira.

Diretor da Amea compareceu à inauguração do primeiro Caps III de Salvador (Marina Hortélio/CORREIO)

O diretor da Amea afirma algumas famílias não sabem como tratar os parentes com transtornos mentais, o que faz com que a pessoa acabe internada. É neste aspecto que o Caps luta contra a internação em hospitais psiquiátricos. 

Depois da mudança de diagnóstico de autismo para esquizofrenia e uma internação no Hospital Psiquiátrico Juliano Moreira, Samuel Leandro Neri, 21 anos, se tornou paciente do Caps II - Rosa Garcia há um ano. O jovem vai ser transferido para a Caps III do Jardim Armação.

“Eu sou paciente do Caps há um ano porque não sabia do grupo antes. Me ajuda muito, agora me sinto muito bem. Eu não estava me sentindo bem quando fui internado”, contou o jovem que foi encaminhado para o centro após uma crise de pânico.

O Secretário Municipal da Saúde, Leo Prates, ressaltou que a inauguração atende a uma necessidade dos pacientes com doenças mentais, além de facilitar o acesso ao tratamento.

“A qualificação do SUS vem cada vez melhorando, mas o desafio é o acesso e a inauguração de equipamentos novos permite o acesso. Se tem uma qualidade no atendimento no SUS, no que temos que evoluir? No acesso”, explicou.

Além da dificuldade de acesso, o diretor da Amea explicou que os pacientes com transtornos mentais nem sempre tem um bom atendimento.

“Eu ouvia vozes e via vultos. Tenho 18 anos de tratamento e muitos lugares ainda nos tratam mal, sem respeito ao paciente. Mas acredito que o novo Caps vai ajudar a quem dá crise”, afirmou Carvalho.

Os Caps atendem por demanda aberta ou encaminhamento, como foi o caso de Samuel. A  diretora de gestão do cuidado da Sesab informou que o ideal é trabalhar em rede, ou seja, com um esforço conjunto entre as unidades de saúde para melhor atender a população.

“A atenção básica pode identificar que existe uma pessoa que tem o transtorno e precisa do apoio do Caps para criar plano terapêutico. Uma escola também pode identificar um adolescente com transtorno mental e encaminhá-lo para o Caps”, disse Silveira.

Para um tratamento completo, os Caps oferecem um acompanhamento mutlisiciplianar. No centro recém-inaugurado, trabalham cerca de 50 profissionais entre psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais, enfermeiros, técnicos de enfermagem, terapeutas ocupacionais, educadores físicos e farmacêuticos. A expectativa é de que sejam realizados 30 mil atendimentos por mês no local. A partir de Março, o centro vai funcionar em regime de 24h. 

No primeiro semestre deste ano, os 18 Caps que já funcionam em Salvador fizeram 70 atendimentos. Estes equipamentos funcionam de segunda a sexta, das 8h às 17h.

A unidade de Armação vai oferecer atendimentos individuais, visitas domiciliares, oficinas e grupos terapêuticos, bem como a entrega de medicamentos. Além disso, o serviço possui oito leitos para acolher pessoas que precisem de observação, tanto no período diurno quanto noturno.

“Aqui serão oferecidos diversos serviços de saúde mental destinados a tratar doenças como a depressão. Caso haja necessidade de medicação, também teremos atendimento de psiquiatras. Aqui os pacientes terão atendimento 24 horas, inclusive noturno”, disse o secretário de Saúde (Sesab), Fábio Vilas Boas.

Além do Caps
Em Salvador, a Rede de Atenção Psicossocial ainda é composta por ambulatórios especializados em Saúde Mental, Pronto Atendimento Psiquiátrico (PAP), Unidade de Acolhimento e Serviços Residenciais Terapêuticos.

Os três Ambulatórios Especializados em Saúde Mental de Salvador funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, com demanda aberta para atendimento de pessoas com transtornos mentais leves e moderados.

A Unidade de Acolhimento Casa da Ladeira, em Nazaré, oferece cuidados contínuos de saúde em ambiente residencial, com funcionamento 24 horas. São 10 vagas para o público infanto-juvenil - de 12 a 18 anos incompletos - com necessidades causadas pelo uso de álcool e drogas. Os pacientes possuem acentuada vulnerabilidade social e/ou familiar e demandam acompanhamento terapêutico e protetivo. O tempo de permanência na unidade é de até seis meses.

O Pronto Atendimento Psiquiátrico (PAP) atende situações de urgência psiquiátrica. O paciente pode permanecer em regime de observação até 72h no local. 

Os Serviços Residenciais Terapêuticos são moradias inseridas em comunidades dos bairros de Salvador vinculadas ao Caps do território. As residências acolhem egressos de internação de longa permanência, de hospitais psiquiátricos e hospitais de custódia.

Os quadros de intoxicação por substância psicoativa e síndrome de abstinência devem ser tratadas nos prontos-atendimentos ou hospitais.

Endereços dos Caps
CAPS II - Oswaldo Camargo: Av. Conselheiro Luiz, s/n° - Rio Vermelho. Telefone: (71) 3611-3917

CAPS II (i) - Prof. Luis Meira Lessa: R. Potiguares, 221 s/n° - Rio Vermelho. Telefone: (71) 3335-6827

CAPS II - Garcia: Av. Leovigildo Figueiras, 392 - Garcia. Telefones: (71) 3328-7408 / 3329-1004

CAPS II Aristides Novis: Av. Laurindo Régis, 606-652 - Engenho Velho de Brotas. Telefones: (71) 3611-2952

CAPS II - Antonio Roberto Pellegrino: Rua Arquimedes Gonçalves nº 226 Jardim Baiano. Telefone: (71) 3321-3679

CAPS II – Liberdade: R. Jardim Vera Cruz, 197 - Santa Mônica. Telefone: (71) 3611-4140

CAPS II - Eduardo Saback: Rua conde P. Carneiro, lote 12,Qd.3 nº139 (em frente à Radio Metrópole). Telefone: (71) 3460-1957

CAPS IA (i) - Liberdade: Rua Conde de Porto Alegre, 11 - Iapi. Telefone: (71) 3611-9011

CAPS II - Adilson Peixoto Sampaio: Endereço: R. do Céu, 77 - Caminho de Areia Salvador. Telefones: (71) 3611-6584 / 85

CAPS II - São Caetano: Loteamento Jardim São João do Lobato Qd. 134 Lote 08- São Caetano. Telefone: (71) 3259-2556

CAPS AD III - Gey Espínheira: Estrada Velha de Campinas, S/N-Campinas de Pirajá. Telefone: (71)3239-1178

CAPS II - Pau da Lima: Estr. da Muriçoca, 597 . Telefone: (71) 3611-7851

CAPS II - Franco Basaglia: Rua Aristóteles Costa Leal n° 36 - Piatã ( Prox. Ao Habibis). Telefone: (71) 3611-3546

CAPS II - Maria Célia Rocha: R. Tirana, 8-10 -A.de Coutos (Lar Fabiano de Cristo - End. Provisório). Telefones: (71) 3397-2689/2846

CAPS II - Águas Claras: Via Local, s/n - Cajazeiras II. Telefone: (71) 3611-6852

CAPS II - Nise Silveira: Est. do Coq. Grande, s/n, Chácara dos Pássaros. Telefone: (71) 3611-6854.

CAPS AD II - Gregório de Matos: Largo do Terreiro de Jesus, Centro Histórico (na faculdade de medicina da Ufba). Telefones: (71) 3283-5547 / 3322-0235 / 3283-5548


Tipos de Caps
CAPS I: Centro especializado em transtornos mentais graves e persistentes, inclusive os gerados pelo uso de substâncias psicoativas. Atente cidades e ou regiões com, pelo menos, 15 mil habitantes.
CAPS II: Unidade com atendimento com especialização em transtornos mentais graves e persistentes, inclusive pelo uso de substâncias psicoativas. Atende localidades com, pelo menos, 70 mil habitantes.
CAPS i: Centro com foco no atendimento para crianças e adolescentes com a transtornos mentais graves e persistentes, inclusive pelo uso de substâncias psicoativas. Para cidades e ou regiões com, pelo menos, 70 mil habitantes.
CAPS ad Álcool e Drogas: Local de atendimento especializado em transtornos pelo uso de álcool e outras drogas. Em cidades e ou regiões com, pelo menos, 70 mil habitantes.
CAPS III: Atendimento com vagas de acolhimento noturno e observação para pacientes de com transtornos mentais graves e persistentes, inclusive pelo uso de substâncias psicoativas. Atende cidades e ou regiões com, pelo menos, 150 mil habitantes.
CAPS ad III Álcool e Drogas: Com 8 a 12 vagas de acolhimento noturno e observação, o centro funciona 24h e atende pacientes com transtornos pelo uso de álcool e outras drogas. Para localidade com, pelo menos, 150 mil habitantes.
Caps III: Rua Pedro Silva Ribeiro, s/n - Jardim Armação

*Com orientação do chefe de reportagem Jorge Gauthier

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas