Com encontro ecumênico, Campanha da Fraternidade pede compromisso com o amor

bahia
17.02.2021, 21:47:03
Atualizado: 17.02.2021, 21:53:02
(Divulgação/Arquidiocese de Salvador)

Com encontro ecumênico, Campanha da Fraternidade pede compromisso com o amor

Igrejas Presbiteriana Unida, Batista Nazareth, Episcopal Anglicana do Brasil serão parceiras da Arquidiocese de Salvador na campanha

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Campanha da Fraternidade 2021 foi lançada nesta Quarta-feira de Cinzas (17). pela quinta vez, a ação será ecumênica, ou seja, é realizada em conjunto com outros segmentos cristãos, como a Igreja Presbiteriana Unida, a Igreja Batista Nazareth, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, que serão parceiras da Arquidiocese de Salvador.

O tema deste ano será “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” e como lema “Cristo é a nossa paz. Do que era dividido fez uma unidade”. 

De acordo com a Arquidiocese, a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 quer ser um convite para viver um jejum que agrada a Deus e que conduz à superação de todas as formas de intolerância, racismo, violências e preconceitos.

"Sabemos que os problemas sociais são imensos. Por isso, sozinhos não conseguimos e precisamos nos unir. E o campo da fraternidade, da caridade é sem dúvida um campo privilegiado para o ecumenismo. Fazer uma campanha em parceria em um momento como esse nos dá ainda mais força", disse o Cardeal Dom Sérgio da Rocha, Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil.

Para o pastor Joel Zeferino, da Igreja Batista Nazareth, membro da Aliança Batistas do Brasil, que integra o Conselho de Igrejas Cristãs (CONIC) e a Comissão Nacional de preparação para campanha, pautar assuntos ligados a intolerância é essencial em um período em que os discursos de ódio se propagam.

“No meio de uma maré em que a sociedade está cada vez mais polarizada e o ódio tem destaque, é necessário que as Igrejas possam dar um exemplo positivo interagindo com a sociedade. Quando falamos em diálogo e compromisso de amor, falamos em estender as mãos, sem discriminação, para que, juntos, possamos criar caminhos onde o ódio seja derrotado”, destacou.

A reverenda Bianca Daébs, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, membro da coordenação colegiada do Conselho Ecumênico Baiano de Igrejas Cristãs do Brasil ligado ao CONIC e assessora para ecumenismo e diálogo inter-religioso da CESE, foi mais direta e afirmou que a Igreja precisa estar ativa no combate a violências e discriminações.

Nós estamos no país que mais mata transsexuais no mundo. Estamos em um local em que o ódio tem se mostrado muito forte e precisamos responder com o amor, mostrando a importância de conviver e amar as diferenças dos nossos companheiros”, declarou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas