Com Estátua da Liberdade, Conquista vai de Suíça Baiana a Nova York do Sertão

economia
25.04.2018, 11:54:00
Atualizado: 25.04.2018, 16:57:44
(Foto: Divulgação)

Com Estátua da Liberdade, Conquista vai de Suíça Baiana a Nova York do Sertão

Monumento de 30 metros colocado em loja virou centro de 'selfies'

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Depois de um período de recessão, impactada pela crise financeira nacional, Vitória da Conquista, no Sudoeste da Bahia, conhecida como Suíça Baiana pelo rigoroso frio, volta a se destacar no cenário econômico estadual, e com um novo status: o de Nova York do Sertão.

Mas vamos com calma: a cidade de 348 mil habitantes, 3ª maior da Bahia, está bem longe de ser algo próximo à “capital do mundo”, como muitos costumam chamar a cidade americana. O novo apelido se dá pela Estátua da Liberdade colocada numa das entradas da cidade por um dos mais novos empreendimentos, a loja de departamento Havan.

Com 30 metros de altura, um terço da original, a estátua rouba atenção de quem trafega pela zona sul de Vitória da Conquista, onde estão outros grandes empreendimentos, como o Shopping Conquista Sul, que é quase em frente à Havan, uma loja de departamentos que tem matriz em Brusque (SC) e outras 108 unidades em 15 estados do Brasil.

A Havan investiu R$ 30 milhões para construir um galpão de 7 mil metros quadrados em Vitória da Conquista e colocou a pomposa estátua na frente do empreendimento, inaugurado sábado passado. Desde então, a estátua tem sido alvo de fotos (sobretudo selfies) por parte de populares e de discussões nas redes sociais.

O prefeito da cidade, Herzem Gusmão (PMDB), por exemplo, disse durante a cerimônia de inauguração da loja que “se tinha vontade de conhecer a ‘capital do mundo’, Nova York, [essa vontade] aumentou pelo símbolo que tem aqui, a Estátua da Liberdade”.

Heldeny Monteiro brincou com legenda ao postar foto em rede social 
Foto: Reprodução/CORREIO

A dona de casa Heldeny Monteiro, 46 anos, publicou uma imagem dela numa rede social em frente à estátua e brincou: “Tirando umas fotos em Nova York, com a Estátua da Liberdade ao fundo. Os invejosos vão dizer que é na Havan”. Ao CORREIO, ela disse que “era uma foto experimental, eu tava lá era tirando foto de um amigo maranhense”.

Também usuário de rede social, Bruno Campos, que é da cidade vizinha de Cândido Sales, postou uma selfie dele com amigos ao pé da estátua e a frase: “Vai ter invejoso falando assim: Ah, vocês estavam na nova loja da Havan em Vitória da conquista, que inclusive ficou massa. Oxente, que Havan? Que Vitória da Conquista? Aqui é New York City... Frio demais!!”.

Críticas
A publicitária Rossane Nascimento, que também se manifestou nas redes, não gostou: “Fico triste pela importação de culturas estrangeiras, que não dizem respeito à nossa genética, matando as nossas raízes do Brasil, como se faz com as ervas daninhas. Não era pra ser o contrário, gente?”.

Houve críticas também por parte do advogado Gustavo de Magalhães: “Para uma cidade que tem uma obra de arte como o Cristo de Mario Cravo... mas, se é de iniciativa privada, traz dinheiro pro comércio e ajuda ao município, que há de se fazer? Depois alguém me explica o que significa? Havana, estátua da liberdade, Vitoria da Conquista, Bahia, revolução cubana, algo assim?”

Marca
A Estátua da Liberdade é uma marca da Havan, com presença em todas as unidades da empresa, espalhadas nos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia (em Barreiras), Pernambuco, Acre, Minas Gerais, Tocantins, Pará, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rondônia.

Em Vitória da Conquista, a empresa gera 150 empregos. Desde a inauguração, ocorrida estrategicamente no feriado de 21 de abril (Tiradentes), mais de 100 mil pessoas visitaram a loja, de acordo com informações da própria empresa.

E já sabendo do frio, a empresa tratou de trazer para Vitória da Conquista mais de 5 mil edredons, vendidos a preço promocional de R$ 29,99. Em poucas horas, no sábado, o estoque já tinha acabado.

“Se tivesse o triplo, teria vendido tudo no mesmo dia”, comentou o empresário Luciano Hang, dono da Havan. Segundo ele, a empresa inaugura mais duas lojas este ano, uma em Vilhena (RO), dia 12 de maio, e a outra em Videira (SC), dia 2 de junho.

Economia quente
Nesta quinta-feira (26), será aberto na cidade o Boulevard Shopping, um investimento de R$ 100 milhões que vai ser inaugurado com pelo menos dois anos de atraso por conta da crise econômica nacional. No primeiro momento, ele terá capacidade de 140 lojas, cinco salas de cinema equipadas com projetor a Laser e 2.200 vagas de estacionamento.

Na fase de construção, a obra gerou 300 empregos diretos e com a inauguração passará a 2.500 empregos diretos e cerca de 6 mil indiretos. A projeção é de que ao menos 300 mil pessoas circulem por mês no shopping, localizado em área nobre da cidade, próximo à Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

“Trata-se de equipamento moderno, corredores amplos, pé direito elevado, captação de água pluvial, tratamento e reutilização de água, gerador próprio, aproveitamento da luminosidade natural e excelente localização”, disse o empresário Iran Gusmão, gerente administrativo e financeiro do empreendimento.

Temperaturas baixas fazem Conquista ser conhecida como Suíça Baiana
(Foto: Mário Bittencourt/CORREIO)

Quinta maior economia baiana, Conquista precisa diversificar indústria
Segundo dados de 2015 (os mais atuais) da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), Vitória da Conquista, tem o quinto maior Produto Interno Bruto (PIB) do estado, com R$ 5,7 bilhões. O setor mais forte da cidade é o de serviços, que colabora com quase 70% do PIB.

A primeira é Salvador (PIB de R$ 57 bilhões), depois vem Camaçari (R$ 20 bilhões), Feira de Santana (R$ 11 bilhões) e em quarto São Francisco do Conde (R$ 8,6 bilhões).

Os dados de 2016 e 2017 ainda não estão disponíveis, mas espera-se uma redução, sobretudo porque, segundo informou a Prefeitura de Vitória da Conquista, houve queda de arrecadação de 2016 para 2017, de R$ 15 milhões.

Questionado sobre o que a administração tem feito na cidade para atrair mais investimentos, o secretário municipal de Governo Marcelo Ferreira disse que o município tem buscado fazer isto por meio dos investimentos públicos em infraestrutura, como melhorias em ruas e avenidas. 

“Essa coisa de renúncia fiscal não é com a gente, nem temos essa folga para fazer isso (renúncias fiscais). Precisamos muito arrecadar, somos uma prefeitura pobre. O que estamos fazendo é investir em infraestrutura. É nosso comprometimento”, ele disse.

Ferreira informou que a Prefeitura vai levar para dentro do Boulevard Shopping um SAC Municipal, onde será possível tirar todas as licenças e alvarás possíveis. “Vamos fazer isto até o final do ano”, falou.

De acordo com o Ministério do Trabalho, Vitória da Conquista está com saldo positivo de 329 postos de trabalho, entre janeiro e março de 2018. Nesse período foram gerados 5.251 empregos, enquanto que 4.922 pessoas foram demitidas. O número de empregos com carteira assinada na cidade é de 58.323, e o de estabelecimentos formais, 12.928.

Formação
Para o economista Gustavo Casseb Pessoti, diretor de indicadores e estatísticas da SEI-BA, a economia de Vitória da Conquista precisa apresentar uma diversificação maior na atração de investimentos econômicos.

“A gente não tem observado uma diversificação da base produtiva de Conquista para além dos ramos tradicionalmente conhecidos, a exemplo dos ramos alimentícios, dos polos de saúde e educação. É importante ter uma desconcentração econômica de setores com capacidade de geração de empregos, como do setor calçadista”, declarou.

Outra grande expectativa para a cidade é a inauguração do novo aeroporto, que deve ocorrer no segundo semestre deste ano. A obra está em fase de conclusão do terminal de passageiros, no valor de R$ 55 milhões. A verba é do Governo Federal e quem executa a obra é o governo da Bahia.

Com capacidade para atender até 800 mil passageiros, o aeroporto terá pista de pouso e decolagem com 2, 1 mil metros de comprimento (o de Salvador tem 3 mil) e 45 metros de largura, pátio para aeronaves, taxiway, rampa de equipamentos, subestação elétrica, balizamento noturno, acessos viários internos e seção contra incêndio.

O empresário e presidente da Associação Comercial de Vitória da Conquista, Itamar Figueiredo, destacou que a obra dará novo impulso ao desenvolvimento econômico da cidade.

“Com ele, podemos estreitar mais os laços com outros empresários e fortalecer os diversos ramos que temos em nossa economia. A cidade tem vocação para o empreendimento, e o empreendedor que vem aqui percebe isso”, comentou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas