Com vantagem, Bahia encara Juventude na final do Baiano feminino

e.c. bahia
30.11.2019, 08:00:00
Atualizado: 30.11.2019, 10:43:30
Gadu, com a bola, é a artilheira do Campeonato Baiano com 20 gols (João Danneman/ EC Bahia/ Divulgação)

Com vantagem, Bahia encara Juventude na final do Baiano feminino

Campeão do estadual será conhecido no jogo deste sábado (30), às 15h15, na Fonte Nova

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O primeiro troféu erguido em uma competição feminina a ser exibido no Fazendão pode ser conquistado neste sábado (30), na Fonte Nova. Às 15h15, o Bahia recebe o Juventude na decisão do Campeonato Baiano Feminino. A TVE transmite a partida ao vivo. Para quem quiser viver as emoções de perto, a entrada no estádio será mediante entrega de 1kg de alimento não perecível. 

As Meninas de Aço vão a campo com vantagem, pois venceram o jogo de ida por 3x1, domingo passado, na cidade de Belo Campo. O resultado faz com que a equipe azul, vermelha e branca seja campeã mesmo que perca por um gol de diferença. Se o Juventude vencer por dois gols de diferença, a decisão vai para os pênaltis. 

Em busca do título inédito, o Bahia fez uma campanha impecável. Sob o comandado do técnico Igor Morena e das auxiliares Solange Bastos e Norma de Souza, o time venceu os oito jogos que disputou no estadual. 

“Nós conseguimos atingir a nossa meta, que era primeiramente chegar à final do campeonato. Agora temos o segundo objetivo, que é conquistar o título inédito para o Bahia com a categoria feminina. Quem sabe a gente possa comemorar o título junto com o público. Vai ser um jogo difícil, mas com o apoio da torcida temos certeza que vamos chegar ao título”, projetou o técnico Igor Morena.

Foram 39 gols marcados, média de quase cinco por partida, e apenas um sofrido. Goleira menos vazada do estadual, Anna Bia só deixou que a rede fosse estufada no jogo de ida da final. 

A única jogadora que conseguiu furar a retranca do Bahia no campeonato inteiro é conhecida por Esquerdinha. Destaque e vice-artilheira do Juventude, ela assinou com categoria um gol olímpico, o quinto dela no torneio. 

“Ela é muito talentosa, uma canhotinha que participa bem da construção do jogo”, elogiou o técnico do Bahia, atento aos pontos fortes do adversário. “O time é muito rápido pelas beiradas. Acredito que elas vão vir para o ‘tudo ou nada’ e, com certeza, vão querer fazer um jogo duro. Apesar de termos feito a vantagem, o jogo de ida foi complicado. Mas temos que fazer o nosso papel na nossa casa e coroar esse trabalho com o título”, completou Igor Morena. 

A prudência não é à toa. O Juventude eliminou nas semifinais o Jequié, que assim como o Bahia, também tinha 100% de aproveitamento até então. Presidida por Claudir, ex-zagueiro e campeão brasileiro pelo Bahia em 1988, a equipe visitante tem cinco vitórias, um empate e duas derrotas, com 23 gols marcados e oito sofridos.   

ARTILHEIRA ISOLADA 
O principal destaque do Bahia é Gadu. Se no time masculino, os atacantes não passam por bom momento, a paulista de 22 anos, revelada pelo rival Vitória, vem dando espetáculo em campo. Artilheira isolada do estadual, Gadu assinou 20 gols, nove deles marcados em uma única partida, na goleada elástica de 19x0 sobre o Ubaíra, ainda na fase classificatória do Baiano. 

O troféu de artilheira Gadu já tem garantido. Os próximos 90 minutos dirão se ela vai erguer o de campeã também.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas