Como a marca de sungas baiana Closet Clothing conquistou o mercado internacional?

empregos
01.09.2020, 19:18:00
Atualizado: 01.09.2020, 19:18:53
Paulo começou vendendo cuecas que trazia das viagens ao exterior, mas cresceu com roupas voltadas para o público gay (Arquivo pessoal)

Como a marca de sungas baiana Closet Clothing conquistou o mercado internacional?

Empresário baiano mostra como conseguiu expandir negócios sem parar de lucrar na pandemia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A sabedoria popular lembra que o fruto não cai longe da árvore. No caso de Paulo Barbosa, dono da marca de roupas Closed Clothing, voltada para o público gay, o ditado antigo nunca esteve tão certo. Neto de costureira, bisneto de vendedor. Ele uniu as paixões dos ofícios ancestrais e ganhou o mundo. No último domingo, abriu a primeira loja filial em São Paulo e festeja a expansão dos negócios para Portugal, Estados Unidos, Itália, Suíça.  

Se você está se perguntando como alguém está crescendo em tempos de pandemia e com uma crise econômica atormentando o comércio, a sugestão é: não perca a live Empregos e Soluções do Jornal Correio, no Instagram, nessa quarta-feira, 02, às 18 horas. Paulo será o convidado da consultora Flávia Paixão e abordará como os negócios, a luta por causas como a visibilidade da comunidade LGBTQIA+ e a sustentabilidade do planeta podem caminhar ao lado de uma postura de marketing cosmopolita e arrojada.

Desde a época do Orkut, ele já usava as redes sociais para falar com o público, talvez, por isso mesmo, o advento da pandemia não o tenha assustado, uma vez que ele já tinha e-commerce e sempre teve na Internet uma forma de vender seus produtos e sua proposta de um vestuário masculino mais ousado e menos convencional. “Não tenho pretensão de enriquecer, quero deixar uma marca no mundo para os que virão depois de mim. Acho que estamos aqui para respeitar nossas essências, nossa história e a vida em todas as suas manifestações”, finaliza.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas