Como ensinar as crianças a pensar em robótica

agenda bahia
02.10.2019, 04:11:00
Mini Maker Lab ensina robótica de maneira lúdica (Foto: Divulgação)

Como ensinar as crianças a pensar em robótica

Dar sentimentos a um robô é mais fácil que os desafios da educação

Apesar de todo o avanço da inteligência artificial, a ideia de robôs com sentimentos ainda mexe com o imaginário humano. A ficção inunda mentes com a ideia de máquinas boazinhas, ou com estruturas sofisticadas que se voltam contra seus criadores para puni-los. Entretanto, apesar do encantamento que o assunto desperta, os dias atuais trazem um desafio bem maior que o de dotar sistemas robóticos com sentimentos. É a missão de ensinar as futuras gerações para dominar a tecnologia. 

Brinquedos ensinam a programar de maneira lúdica
Brinquedos ensinam a programar de maneira lúdica
Brinquedos ensinam a programar de maneira lúdica
Brinquedos ensinam a programar de maneira lúdica
Brinquedos ensinam a programar de maneira lúdica
Brinquedos ensinam a programar de maneira lúdica

Mas como seria possível preparar a gurizada para um mundo que ainda não existe? Um estudo encomendado pela Dell Technologies ao IFTF (Institute For The Future) indica que apenas 15% das profissões humanas em 2030 já existem. As outras 85% ainda serão inventadas. Outro estudo, do Fórum Econômico Mundial, aponta as profissões que serão tendências para os próximos anos. Todas elas tem ligação com a tecnologia.  

Mas não é apenas isso que fica claro no relatório Futuro do Trabalho 2018. Se o futuro traz consigo incógnitas, a certeza está nas habilidades necessárias para ser bem sucedido. Habilidades como a capacidade de resolver problemas, ter pensamento crítico, ser criativo, ter inteligência emocional e o gosto pelo trabalho em equipe podem fazer toda a diferença no futuro. 

Fazer um robô ter sentimentos não é nada de outro mundo, garante Peterson Lobato, fundador da Mini Maker Lab e professor na área de robótica, programação e impressão 3D. “Se você olhar os filmes de ficção do passado, muitas das coisas que estavam ali sendo utilizadas estão se concretizando. Muitas tecnologias que temos hoje parecem ter sido preditas nos filmes do passado”, afirma. E com a evolução da inteligência artificial, é possível construir máquinas cada vez mais requintadas, diz. 

“Quando você programa um robô com sentimentos, na realidade você está criando uma ligação sua com o robô. Ele não tem um sentimento sozinho, não tem a capacidade de sentir emoções e de raciocinar por si só”, ressalta.

Por exemplo, é possível programar a máquina para demonstrar felicidade, em reação a um movimento humano. “Ou tocar ele de alguma forma e ele ficar triste. Ele pode interagir com você de acordo com alguma função que é definida pelo homem”. 

O mais difícil...
Atualmente cursando o doutorado, Peterson Lobato estuda o processo de aprendizagem do ser humano desde o seu mestrado. No Mini Maker Lab, oferece para crianças a oportunidade de aprender lógica e programação a partir de brinquedos. “Como a tecnologia está imersa em nossa vida, e esses alunos são muito ligados à tecnologia, muitas vezes eles se perdem naquilo que é concreto, naquilo que é palpável”, diz. Daí a necessidade de lidar com um algo concreto na brincadeira.  

“O trabalho é fazer a máquina se movimentar de acordo com um comando, tocar uma música, então a criança vai aprender algo com um resultado concreto, físico”, garante.  

Projeto baiano, com apoio do Senai Cimatec e presente em escolas da rede municipal de Salvador, o produto pode ajudar crianças a lidar com as habilidades necessárias no futuro, acredita Lobato. “Com um robô, a criança vai aprender a programar, mas vai aprender de uma maneira lúdica, divertida. Não precisa decorar mil códigos, facilmente se programa o robô”. 

“As crianças de hoje, quando entrarem no mercado de trabalho, possivelmente vão se deparar com profissões que ainda nem existem hoje”, diz. Ele destaca a necessidade de valorizar processos que valorizem o trabalho em equipe, a capacidade de desenvolver problemas, utilizar a criatividade, se comunicar, ser autodidata, entre outras habilidades. “São essas habilidades que serão valorizadas no futuro”.

Desafio do ensino
Como a robótica não é uma disciplina tradicional, o processo de aprendizado tem alguns desafios, explica Marco Reis, uma das referências técnicas em projetos de inovação em Robótica na Bahia. A área é um somatório de outras, principalmente mecânica, eletrônica e software. Para ele, a forma como se ensinam as disciplinas tradicionais não funciona neste caso. 

“O problema é que as informações que são tecnológicas estão disponíveis na internet, em softwares e games. Na maioria das vezes, o processo não se dá por livros, ou por um exercício, ou através de uma aula passada por um professor em um quadro. Aprende-se fazendo. É muito mais o experimentalismo”, esclarece.  Segundo ele, este é um cenário desafiador em todas as etapas. 

Aprender programação e codificação será um importante pré-requisito para o futuro. “Todas as crianças desta geração e das gerações futuras terão que aprender a falar com as máquinas. Óbvio que a linguagem vai se tornar cada vez mais fácil, mas será indispensável lidar com a programação”, prevê Reis. 

O Fórum Agenda Bahia 2019 é uma realização do CORREIO, com patrocínio da Sotero Ambiental, apoio institucional da Prefeitura de Salvador, Federação das Indústrias da Bahia (Fieb) e Rede Bahia e apoio da Braskem e DD Education.


SEMINÁRIO [A.R] EVOLUÇÃO - 03 de outubro

MANHà
ARENA DO CONHECIMENTO

08h00 às 9h00   – Credenciamento

09h00 às 09h30   – Palestra “Tudo muda o tempo todo”, com Peter Kronstrom, head para América Latina do Copenhagen Institute for Future 
Studies e fundador do Future Lounge

09h30 às 10h00  – Bate-papo com Peter 
Kronstrom moderado por Flavia Oliveira, colunista do jornal O Globo e da Globonews

10h00 às 10h30  – Palestra “O Futuro é agora: como o empoderamento digital transforma vidas e cidades”, com Rodrigo Baggio, presidente da Recode, organização social presente em 8 países e 689 centros de empoderamento digital

10h30 às 11h00  – Bate-papo com Rodrigo Baggio moderado por Flavia Oliveira, colunista do jornal O Globo e da Globonews

11h00 às 12h00  – Painel “Distopia ou disrupção: como se preparar para o amanhã?”, com os palestrantes Peter Kronstrom e Rodrigo Baggio e moderação de Flavia Oliveira.

12h   – Intervalo para almoço


TARDE
ARENA DA VIVÊNCIA

14h30 às 16h00  – Painel “Do robô ao roubo de dados: as novidades na Educação, na Agropecuária, na Construção Civil e na Saúde”, com Silas Cunha, CEO da Abitat, startup Construtech que busca a gestão mais eficiente de empreendimentos através de IoT (Internet das Coisas), Banco de dados e Machine Learning, Ana Carolina Monteiro, sócia da Hackel, consultoria em Marketing Conversacional e soluções em Educação que trabalha com tecnologias de automação e inteligência artificial. como Internet das Coisas e Chatbots, Matheus Ladeia, CEO do E-rural, o maior marketplace de pecuária do Brasil e especialista em agtech, growrth strategi e growth marketing e Vicente Vale, sócio da REP Educa, plataforma digital que utiliza Realidade Aumentada e Inteligência Artificial para ampliar a aprendizagem dos alunos.

14h30 às 16h00 – Oficina “Como programar um robô com sentimentos”, com Peterson Lobato, fundador da Mini Maker Lab e professor na área de robótica, programação e impressão 3D.

14h30 às 16h00  – Oficina “Circuito de Experiências em tecnologias para Educação e para Indústria”, com Fernanda Mikulski Guedes, coordenadora de ações de avaliação educacional, inovação e competições da Escola Técnica Senai-BA e Igor Nogueira Oliveira Dantas, coordenador de projetos de inovação educacional na unidade de Inovação e Tecnologias Educacionais do Senai-BA, Adalício Neto, especialista em Automação no SENAI CIMATEC e responsável pelo portfólio de serviços 4.0.

14h30 às 16h00  – Os desafios do Bitcoin no Brasil, com Thiago Avancinni, diretor de Educação e Tecnologia da DD Corporation

16h00 às 17h00  – Desafio “Fórum Agenda Bahia/Olimpíada Brasileira de Robótica”, uma parceria jornal Correio e Sesi. 


SAIBA COMO PARTICIPAR GRATUITAMENTE

O quê  O Agenda Bahia chega aos 10 anos promovendo discussões sobre inovação, competitividade, qualificação e sustentabilidade.

Onde  No Senai Cimatec, na Avenida Orlando Gomes, dia 3 de outubro, entre 9 e 18 horas

Inscrições  Inscreva-se grátis no endereço bit.ly/forumagendabahia


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas