'Compadre nunca encostou a mão em mim', diz Scheila Carvalho

carnaval
25.02.2017, 21:25:00
Atualizado: 25.02.2017, 21:30:07

'Compadre nunca encostou a mão em mim', diz Scheila Carvalho

Ex-Tchan afirmou que cantor tem "gênio difícil" e sempre teve muito ciúme do destaque das dançarinas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Scheila Carvalho esteve neste sábado (25) em um camarote para curtir o Carnaval de Salvador e aproveitou para falar de toda a polêmica envolvendo dançarinas do É o Tchan, grupo em que se lançou. Ela lamentou o "gênio difícil" de Compadre Washington, mas salientando que nunca sofreu agressão dele. "O Compadre Washington tem um gênio muito difícil. Ele nunca encostou a mão em mim, mas acho muito triste essa polêmica com as dançarinas. Eles tem ciúmes que as dançarinas apareçam mais", disse ela em entrevista ao Ego.

(Foto: Veri Lopes/AGF Pontes/Divulgação)

Para ela, justamente por conta dos problemas envolvendo "ciúmes" dos dançarinos, a banda mudou de rumo. "O É o Tchan mudou. Antes os dançarinos roubavam a cena e agora o Washington quer ficar na linha de frente. Ele tem um temperamento difícil demais. A Carla fez muito sucesso como dançarina e ele tinha ciúme. Agora os dançarinos lá não podem aparecer mais. Mudaram a estratégia, né?".

Apesar dos problemas, a ex-morena do Tchan tem carinho ao lembrar do seu período no grupo. "Foi uma época muito boa da minha vida, não tem como negar. Eu, até hoje quando escuto o Tchan, tenho vontade de dançar. Na minha vida a música do Tchan está muito presente. Mas eu não sou amiga do Compadre Washington. Minha amizade é com os dançarinos, com ele não".

Confusão
Um vídeo feito pelas dançarinas do 'É O Tchan', Joyce Mattos e Zanza Pereira, caiu nas redes sociais no início de fevereiro. Nele, as bailarinas do grupo reclamam de terem sido expulsas durante uma apresentação do grupo em Minas Gerais e dos maus tratos sofridos durante o tempo de banda pelos integrantes da produção e em especial por Compadre Washington. 

Joyce relata o episódio acompanhada de Zanza, que concorda com tudo que a parceira de dança fala. Ainda no vídeo, a bailarina reclama do baixo salário. "Sempre fomos humilhadas. Além das humilhações, a gente tem a humilhação também de não ir pra televisão. Sendo que quando a banda estava morrendo, a gente ia para a televisão. Recebemos a mesma remuneração há cinco anos", revela.

(Foto: Reprodução)

As bailarinas ainda culparam Compadre Washington pelo desconforto entre o grupo. "A produção mais o cantor, o Compadre Washington, no caso, foi o culpado porque não estava feliz. Se descontarem meu cachê serei obrigada a fazer essa denúncia", disse.

Apesar do vídeo ter caído na web na madrugada desta quinta-feira, na terça-feira (31), a morena que ocupou o espaço deixado por Scheila Carvalho anunciou em seu perfil no Instagram o desligamento da banda, o que indica que a confusão aconteceu durante o final do mês de janeiro. Ela fez um longo desabafo..

"Venho em respeito ao público que aprecia o meu trabalho junto ao É o Tchan declarar que não faço mais parte do grupo. Quem diria, eu uma ex vendedora de lojas, performance GLS, sem beleza, sem corpo, sem perfil e sem ser graduada em dança entraria para uma banda de tamanha grandiosidade. Ocupei o espaço  de morena do Tchan, mas esse posto nunca foi meu... Assim batalhei por espaço com os pés firmes e bem a par da realidade de que fazia parte de um corpo de baile e tudo que eu passava na banda me deixava mais crente disso. Esse título pertence à banda e quem entrar nela vai utilizá-lo por um tempo. Pois então, meu tempo acabou, e a sensação de dever cumprido me acalma o coração, 10 mil vezes que entrei no palco foram 10 mil de amor, que incomodou muitos e alegrou outros... Mas enfim, ruim ou bom, dei o meu melhor, me doei por inteira e me dediquei, e acreditem, até eu acho que não foi o bastante. O sentimento de saudade fica e o maior orgulho que tenho de todas minhas atitudes é que enquanto estive na banda eu fui agraciada pela maior recompensa, os FÃS, esses que a partir de hoje não sei quais irão continuar, mas enquanto estive me acompanharam e apoiaram, valeram cada suor e sorriso que derramei mesmo quando na verdade deveriam ser lágrimas!! São a vocês meu obrigado, são pra vocês  as satisfações, foi graças a vocês minha evolução e são de vocês que eu sentirei falta, porque são os únicos que davam valor a tudo isso. Foi no Tchan que soube e aprendi o valor disso, e esse é o maior obrigado que eu posso dar a banda permitindo que ocupasse esse posto por todo esse tempo. Cada ano que passei foi porque minha dedicação ao trabalho falava mais alto que qualquer incomodo, qualquer crítica ou não aceitação.Muitas coisas vividas, muitos aprendizados, uma experiência inimaginada, mas como tudo na vida tem seu começo, meio e fim. Cheguei ao fim bem demorado com a durabilidade de 5 anos 4 meses e exatos 20 dias, e hoje posso dar o meu adeus com o coração calmo e com a sensação de dever cumprido. Obrigado a todos pela atenção e carinho, fiquem tranquilos, como todo fim, não é fácil, mas estou muito bem e convicta que já havia passado da hora do fim acontecer", escreveu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas