Conheça a deliciosa moqueca de aratu com mamão da Vila Brandão que custa R$ 65

comida
01.02.2020, 18:10:00
Atualizado: 01.02.2020, 23:58:39
(Sora Maia/CORREIO )

Conheça a deliciosa moqueca de aratu com mamão da Vila Brandão que custa R$ 65

Restaurante Cantinho da Jô tem cardápio diversificado com comida boa e barata; aproveite para tomar um banho de mar

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A escada amedronta mesmo. Íngreme, tem 55 degraus para descer até o Cantinho da Jô, na Vila Brandão. Não raro, o cliente pergunta, meio desolado: ‘não desce carro aí, não?’ ‘Não’, responde, com jeitinho, a bem-humorada dona de um dos pontos mais cobiçados desse verão, na região vizinha aos grã-finos Corredor da Vitória e Largo da Graça. 

O sacrifício já virou piada. É que depois da barreira da descida, ainda é necessário subir os 24 degraus estreitos (e com curva) que levam até o primeiro andar, onde fica o salão do restaurante. Na casa, todo mundo encara a maratona na brincadeira. Os clientes mais afoitos são informados, antes dos primeiros goles, que na saída tem teste de bafômetro na escada. 

Lá em cima, oásis. Cerveja gelada, rádio ligado na GFM 90,1 e sua clássica MPB - é confortável em tempos de paredões -, cardápio de bons pratos e um marzão para saborear. 

(Sora Maia/CORREIO)

É só escolher por onde começar: aratu com mamão verde, farofa de banana, arroz soltinho (R$ 65). Jô foi buscar a receita do marisco nas lembranças do interior, em casas cheias de filhos e pouco dinheiro para comprar frutas e verduras. O mamão do quintal era muito utilizado como ingrediente cortadinho para fazer crescer a receita. Na casa dela, era com peixe miraguaia. 

(Sora Maia/CORREIO)

(Sora Maia/CORREIO)

Na mistura com o aratu, que é muito molinho, os cubos neutros do mamão são coadjuvantes, não modificam o sabor do prato e contribuem para uma textura mais consistente. Vai biri-biri, pimenta-do-reino e coco ralado. O prato é cozido em camadas: aratu, mamão, temperos. Não leva água, então são adicionados um pouco de leite de coco e pingos de azeite de dendê para ganhar a cor dourada.

O arroz branquinho não é de preguiçoso; é muito bem temperado. Jô usa dois a três dentes de alho para cada meio quilo e, perto de tirar do fogo, abafa a panela com cebola e talo de cheiro verde (sobe aquele bafo cheiroso). O caldo hidrata o grão, não é desperdiçado como nas receitas de arroz escorrido. 

Por fim, a farofa de banana-da-terra frita e bem torrada com manteiga para ganhar uma leve crocância. O cardápio tem ainda peixe frito, carne do sol, vários petiscos bem locais e muitos saborosos.  

(Sora Maia/CORREIO)
(Sora Maia/CORREIO)
(Sora Maia/CORREIO)
(Sora Maia/CORREIO)

A comilança acontece em um pequeno espaço, com pouco mais de quatro mesas, mas ainda assim os clientes convivem harmoniosamente. Vem gente de tudo que é canto, os estrangeiros já descobriram os sabores. Jô conta que dia desses o local parecia mais uma torre de babel, com japonês, holandês, chileno e americano - e havia apenas uma mesa de brasileiros.

Pelo mar, que banha a pacata vila, chegam famintos marinheiros que encomendam a comida antes do passeio e depois ancoram seus barcos na costa de pedras para se fartarem no Cantinho. 

O mar é meio inquieto, bate nas pedras, mas tem atraído muitos veranistas da cidade para aliviar o calor tórrido. Depois, eles aproveitam para passear pela vila e conversar com os moradores, que são bem acolhedores.

Bem no início, muitos deles desconfiaram se o negócio daria certo. ‘Será, Jô, que o povo chique vem pra cá?’, perguntavam. Mas a notícia de comida boa, barata e saborosa caiu na boca do povo, impulsionada pelo quadro Panela de Bairro, da TV Bahia. 

Todo dia, tarde ou noite, uma legião de fãs bate o ponto. Tem cliente que frequenta desde o início, em dezembro de 2016, como a turma do município de Macaúbas que comemorou um aniversário por lá. Foi tanta gente, o dia todo, que a data ficou marcada como a mais movimentada da casa. Cerca de 70 pessoas se revezaram horas tocando seus instrumentos e saboreando os quitutes de Jô. 

Na comemoração, uma sandália Havaianas preta quebrou e a turma a elegeu como um amuleto. Está fincada até hoje no telhado do Cantinho da Jô para nunca mais faltar cliente. E assim foi.

Vá lá conferir:

Cantinho da Jô

Onde: Vila Brandão, encosta da Ladeira da Barra, entrada pelo Largo da Graça.

Funcionamento: Todos os dias, das 11h às 21h

Telefone: 71 99103-6024

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas