Corpo do menino Gael é enterrado sob emoção no interior da Paraíba

brasil
13.05.2021, 14:50:00
Atualizado: 13.05.2021, 14:55:21
(Artur Lira/TV Paraíba)

Corpo do menino Gael é enterrado sob emoção no interior da Paraíba

Criança de 3 anos morreu após agressões em SP; mãe foi presa pelo crime

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O corpo de Gael Nunes, de 3 anos, que morreu em um apartamento de São Paulo, foi sepultado nesta quinta-feira (13) na cidade de Prata, na Paraíba. A mãe do menino foi presa acusado de tê-lo agredido até a morte.

O corpo de Gael foi velado na casa de parentes do pai e depois seguiu em cortejo até o cemitério, acompanhado por centenas de pessoas. 

Inicialemnte, segundo o G1, o velória aconteceria na quadra da Escola Cidadã Integral Francisco de Assis Gonzaga, mas para evitar aglomerações o Ministério Público da Paraíba recomendou uma mudança. Mesmo assim, o promotor Bruno Leonardo Lins entendeu que era importante preservar o velório, especialmente para a família se despedir de uma criança morta em "circunstâncias excessivamente traumáticas".

Gael morreu na segunda. Ele foi socorrido ferido do apartamento em que morava com a mãe, a tia-avó e a irmã adolescente em Bela Vista. A mãe foi presa no dia seguinte ao crime e já foi indiciada como suspeita pela morte da criança, mas nega o crime.

Entenda
Andréia Freitas de Oliveira, 37 anos, foi presa na madrugada da terça (11), dentro de casa, horas após a morte de Gael. A polícia diz que a mulher cometeu agressões que levaram à morte do menino. Ele chegou a ser socorrido, mas foi declarado sem vida no hospital.

A polícia ainda investiga o que teria motivado o crime. O advogado de Andréia, Fábio Gomes da Costa, diz que ela não se lembra do que aconteceu no dia do crime, que alega ter sofrido um "apagão", e que chorou por 40 minutos ao saber da morte de Gael. 

O advogado vai pedir a prisão domiciliar ou transferência dela para um hospital psiquiátrico. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas