Criança de 5 anos morre após ser atingida por tiro acidental dado pelo irmão de 8

brasil
01.07.2019, 14:37:24
Atualizado: 01.07.2019, 14:39:56

Criança de 5 anos morre após ser atingida por tiro acidental dado pelo irmão de 8

Acidente aconteceu no sábado (29), no Acre

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Após levar um tiro de espingarda na cabeça no último sábado (29), uma criança de cinco anos faleceu nesta segunda-feira em Rio Branco, no Acre. De acordo com o G1, o disparo ocorreu de maneira acidental após seu irmão, que tem 8 anos, pegar a arma do avô.

De acordo com a Polícia Militar, as duas crianças estavam com a mãe casa, quando o mais velho conseguiu achar a espingarda do avô e disparar acidentalmente. O tiro ultrapassou a parede e atingiu a cabeça da criança de 5 anos.

“Ele já chegou aqui em um estado irreversível. Já no primeiro dia, percebemos que ele estava abrindo a pupila, só que, como ele tinha recebido medicações para sedar, a gente tem que esperar um tempo para poder abrir um protocolo de morte encefálica. Mas, não deu tempo. Na manhã desta segunda, ele já estava sem reflexo nenhum e o coração parou”, disse ao G1 Eliza Souza, médica que cuidou da criança.

As crianças moravam em Sena Madureira, no interior do Acre. No transporte até Rio Branco, a vítima seguiu sem acompanhante e os médicos acionaram o Conselho Tutelar. A conselheira tutelar Graziele Morais informou que foram acionados pelo Samu e deu as orientações sobre os procedimentos que deveriam ser adotados. Segundo ela, se tiver que dar algum encaminhamento sobre esse caso, vai ser direcionado para o 2° Conselho Tutelar, responsável pela regional.

“A criança estava sob a responsabilidade do Estado. Então, o hospital poderia destinar alguém para ficar acompanhando essa criança até que surgisse algum parente. Não entraram mais em contato conosco e nesta segunda [1º], entramos em contato com a equipe do serviço social do Huerb e fomos informados que a criança tinha sido transferida para o Hospital da Criança e já estava sendo acompanhada pela mãe”, disse a conselheira.

Mãe estava em casa
Entre lágrimas e muito abalada com a situação, a mãe da criança de 29 anos disse que estava em casa com as crianças quando tudo aconteceu e garante que elas não estava sozinhas.

“Eu estava sentada na porta com ele umas 15h, aí o outro [criança de 8 anos] entrou no quarto, pegou a espingarda e chamou ele para olhar na brecha e atirou. Ele pensava que não tinha cartucho, porque meu pai nunca deixava com cartucho. Era a espingarda do meu pai caçar, era guardada na parte de cima, mas ele ficou procurando e pegou. Primeiro levaram ele para o hospital de Sena Madureira e depois pra cá e eu vim. Fiquei com ele aqui no hospital todo tempo”, disse a mãe.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas