Dançarina Juju Tempestade foi morta por comentário em rede social, diz polícia

bahia
14.05.2021, 16:31:00
Atualizado: 14.05.2021, 17:31:00
(Reprodução)

Dançarina Juju Tempestade foi morta por comentário em rede social, diz polícia

"Não era bichão, nego? Tá vendo aí o final dos bichão onde é", escreveu ela

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A morte da dançarina Juciene Sampaio Bastos, conhecida como Juju Tempestade, de 24 anos, tem ligação com comentários que ela fez em uma rede social sobre a morte de Felipe Figueiredo, pela polícia, também em Feira de Santana. Juju foi morta a tiros na quinta-feira (13) por um homem que se aproximou de moto e atirou. Felipe morreu dois dias antes em uma troca de tiros com policiais militares. As informações são do Acorda Cidade.

A suspeita da polícia é que Juju tinha envolvimento com tráfico de drogas e os comentários derrogatórios que ela fez sobre Felipe motivaram sua morte. "Não era bichão, nego? Tá vendo aí o final dos bichão onde é", diz a mensagem escrita por ela no Instagram. 

Ela continua, afirmando que ele já a teria ameaçado. "Disse que ia me dá um tiro, em pai, lembro como hoje que ia me mostrar. Quem mostrou mesmo? Kkkkkkkk quem morreu primeiro? Isso mesmo: você", diz ainda a mensagem. Uma reposta a ela dizia: "Sua hora também chega".

(foto: Reprodução)

"Desde o início das investigações, o crime já apontava a motivação de um suposto comentário que ela teria feito nas redes sociais a respeito da morte (de Felipe)", diz o delegado Rodolfo Faro ao Acorda Cidade. "Segundo apuramos, a vítima também tinha envolvimento com o tráfico de drogas. Foi encontrada maconha na residência dela em grande quantidade e o vídeo que vazou nas redes sociais prova como ela foi executada", acrescenta.

O delegado afirma que a polícia já tem indícios de autoria do crime, mas como as imagens do crime vazaram nas redes sociais, acredita que o bandido fugiu. "Um vídeo de um crime, quando é colocado nas redes sociais antes da polícia começar as investigações, atrapalha. Esse autor com certeza já evadiu-se, tanto que a moto utilizada pelo mesmo já foi abandonada, poucos instantes após a prática do crime", diz.

Juju foi morta com cerca de 10 tiros por volta das 13h30 de ontem, no bairro de Baraúnas. Um homem de moto chega e se aproxima. Em determinado momento, ele saca a arma. Juju ainda tenta correr, mas ele logo efetua os disparos. O atirador volta para a moto e foge em seguida. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi chamado, mas ela não resistiu.

Juju Tempestade, também conhecida como Senhora Tempestade, era influenciadora digital e possuía quase 22 mil seguidores em uma de suas redes sociais. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas