De aspa em aspa, uma semana cheia de contendas dentro e fora do governo

entrelinhas
23.05.2020, 09:00:00

De aspa em aspa, uma semana cheia de contendas dentro e fora do governo

Relembre as frases que marcaram a semana

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Da demissão de Regina Duarte após 60 tumultuados dias à frente da secretaria de Cultura do governo federal à apresentadora Maisa dizendo seu primeiro palavrão para comemorar a maioridade, passando pelas declarações de Bolsonaro e de Lula sobre a covid-19 e a divulgação da íntegra do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, a semana foi marcada por ‘aspas fortes’. O CORREIO fez a seleção das 10 frases que, de certa forma, resumem o noticiário desta semana. Confira abaixo:

Regina Duarte foi demitida da secretaria de cultura (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)

“Pode ter um presente melhor que esse? Obrigada, presidente. Estou sentindo muita falta dos meus filhos e dos meus netos. É um presente duplo. É a Cinemateca e é estar próxima da minha família”, Regina Duarte

A atriz agradeceu a nomeação para comandar a Cinemateca Brasileira, em São Paulo, pouco depois de ser demitida da secretaria de Cultura, na quarta-feira, 20, em um processo que, nos bastidores, pareceu uma ‘fritura’ do governo Bolsonaro. Regina ficou 60 dias no comando da secretaria que extinguiu o antigo Ministério da Cultura, em uma gestão marcada por polêmicas.

Gabriela Duarte postou textão no Instagram (Foto: Thiago Prado Neri/TV Globo)

"Meus filhos têm sido criados também dessa forma. Para que sejam livres e possam formar seus próprios pensamentos. O fato de serem meus filhos não os obriga a serem como eu. Quero que eles sejam melhores! Escolhas são individuais, que fique claro. Cada adulto que cuide de seu RG e CPF”, Gabriela Duarte

A atriz fez um longo desabafo no Instagram (@gabidu). Sem citar nomes, deu a entender que tem visão política diferente da mãe, a também atriz Regina Duarte, que foi secretária de Cultura do governo Bolsonaro e desde a campanha, declarou-se apoiadora do presidente. No texto, publicado após a repercussão negativa da passagem de Regina pelo governo, a atriz falou sobre os artistas exporem seus posicionamentos políticos publicamente, e destacou também que uma família não precisa pensar da mesma maneira.

Mário Frias almoçou com Bolsonaro (Foto: Divulgação)


"Pro Jair, cara, o que ele precisar eu tô aqui... Pelo Brasil eu tô aqui, o que for preciso. Respeito o Jair demais, vejo o Brasil com chance de finalmente ser respeitado", Mário Frias

O ator é cotado para assumir a Secretaria de Cultura no lugar de Regina Duarte. A frase dele foi postada pelo presidente Jair Bolsonaro em suas redes sociais, essa semana. Foi tirada de uma entrevista de Frias à CNN, concedida no começo de maio, quando o ator disse que torcia por Regina Duarte, mas estava à disposição do presidente. Na terça-feira, 19, ele almoçou com Bolsonaro e no dia seguinte, esteve novamente no Palácio do Planalto.

Bolsonaro defende uso de cloroquina e fim do isolamento social (Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo)

“O que é a democracia? Você não quer? Você não faz. Você não é obrigado a tomar cloroquina. Quem é de direita toma cloroquina. Quem é de esquerda toma? Tubaína”, Jair Bolsonaro

O presidente disse a frase durante entrevista para um jornalista de Recife (PE), na quarta-feira, 19, mesmo dia em que o Brasil registrou 1.179 mortos pela covid-19.  Foi uma resposta à pergunta sobre a liberação do medicamento Cloroquina. Na quinta-feira, 20, a Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras), emitiu uma nota de repúdio e chamou a aspa do presidente de uma “infeliz declaração”. 

Lula se desculpou por frase (Foto: Reprodução/Live Carta Capital)

“Quando eu vejo os discursos dessas pessoas, quando eu vejo essas pessoas acharem bonito que 'tem que vender tudo o que é público', que 'o público não presta nada', ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus. Porque esse monstro está permitindo que os cegos comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises”, Luiz Inácio Lula da Silva

O ex-presidente do Brasil disse a frase em um debate transmitido via Facebook sobre a crise do novo coronavírus. Na quinta-feira, 20, ele reconheceu o erro e pediu desculpas. Lula disse ainda que estava tentando falar da importância do SUS como exemplo de uma política pública eficiente de saúde. Disse ainda que, diante do contexto trágico da pandemia, deveria ter usado a palavra “infelizmente”, em vez de “ainda bem”.

Prefeito ACM Neto participou de reunião do Democratas e do Ilec (Foto: Reprodução)

“A Febraban, instituição que representa os bancos privados, deveria ter vergonha de fazer publicidade dizendo que os bancos estão ajudando o Brasil a enfrentar o Coronavírus. Os bancos cobram juros absurdos, não concedem crédito a quem precisa e, principalmente, mostram-se insensíveis aos micro e pequenos empresários, mas gastam uma fortuna em propaganda para tentar vender uma realidade que não existe", ACM Neto

O prefeito de Salvador usou o Twitter para criticar os bancos privados. Na quinta-feira, 21, ele participou de um seminário online promovido pelo partido Democratas e pelo Instituto Liberdade e Cidadania (Ilec) e pediu que o Congresso Nacional pressione os bancos para que facilitem o acesso ao crédito para as micro e pequenas empresas diante dos impactos econômicos da covid-19.

Ricardo Salles afirmou em vídeo que o 'país não precisa do Congresso' (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

“Então pra isso precisa ter um esforço nosso aqui enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de Covid-19 e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”, Ricardo Salles

O ministro do Meio Ambiente sugeriu aproveitar o foco da imprensa no coronavírus para o governo aprovar leis que desautorizariam as regulações previstas na Constituição e vigentes no país em diversos setores, principalmente na sua pasta. A frase, dita na reunião ministerial do dia 22 de abril, foi divulgada na sexta-feira, 22, após o STF autorizar a quebra de sigilo do vídeo da reunião. No mesmo trecho em que aparece falando, Salles chega a afirmar que o país não precisa do Congresso.

Abraham Weintraub chama reparação de 'privilégio' (Foto: Rafael Carvalho/Casa Civil)

“Odeio o termo 'povos indígenas', odeio esse termo. Odeio. O 'povo cigano'. Só tem um povo nesse país. Quer, quer. Não quer, sai de ré. É povo brasileiro, só tem um povo. Pode ser preto, pode ser branco, pode ser japonês, pode ser descendente de índio, mas tem que ser brasileiro, pô! Acabar com esse negócio de povos e privilégios”, Abraham Weintraub

O ministro da Educação afirmou ser contra políticas de reparação, que ele chamou de ‘privilégios’, na reunião ministerial de 22 de abril. A frase foi divulgada na sexta-feira, 22, após o ministro do STF Celso de Mello autorizar a divulgação na íntegra do conteúdo da reunião. O vídeo foi citado pelo ex-ministro Sérgio Moro em denúncia de que o presidente Jair Bolsonaro estaria tentando interferir na Polícia Federal.

Rodrigo Maia comentou nota precipitada do general Heleno (Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados)

 “A própria nota do ministro Heleno é muito ruim, ameaçando. Se achou que o encaminhamento do Celso de Mello é tão grave assim, peça uma audiência, mas essas agressões que confrontam, que ameaçam... O investidor pensa que não pode investir nesse país. É a sinalização que a gente passa no exterior”, Rodrigo Maia

O presidente da Câmara dos Deputados criticou o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general Augusto Heleno, por ter divulgado antecipadamente uma nota contra a possibilidade de apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro. O pedido foi feito por partidos de oposição ao ministro Celso de Mello, do STF.

Maisa liberou a 'boca suja' ao completar 18 anos (Foto: Divulgação)

“Ai ai, que alívio. E quem não gostou vai tomar no c*… Tava entalado, viu gente? Eu sendo family friendly por 18 anos. Me deem um desconto”, Maisa

A apresentadora, que cresceu em frente às câmeras, fez 18 anos essa semana e comemorou com uma sequência de palavrões escritos em letras maiúsculas no seu perfil no Twitter. Ela já havia prometido que postaria o primeiro palavrão da vida nas redes sociais.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas