De porteiro a mestre: Um professor, uma história, um obrigado a Jorge Portugal

textão
04.08.2020, 16:00:06
Atualizado: 04.08.2020, 17:30:54

De porteiro a mestre: Um professor, uma história, um obrigado a Jorge Portugal

Senta que lá vem...

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Faz algumas horas que recebi a notícia da morte do professor Jorge Portugal. Poucos de vocês sabem, mas eu fui porteiro, por cinco anos, do prédio onde ele morou. Trabalhei ali dos quinze aos dezenove anos e nesse período pude ver sua vida agitada nas artes e na educação.

Certa feita, ao chegar do trabalho e passando pela portaria, ele se dirigiu a mim e perguntou que tipo de literatura eu gostava, já que me via sempre com jornais ou revistas (uma orientação dos padrinhos). A conversa se estendeu e daquele dia em diante ele passou a me emprestar livros e gramáticas para eu estudar.

Tempos depois, ele me perguntou que carreira eu pretendia seguir e eu fui categórico: Ainda não sei, mas quero ser reconhecido e respeitado como o senhor e sentar ao seu lado numa mesa de apresentações. Ele sorriu, agradeceu e seguiu seu caminho. O ano era 1995.

Aquela conversa ficou segredada até 2011/2012, quando, na escola em que eu trabalhava, como professor de redação, dividi o mesmo palco com o aclamado professor e apresentador do programa Aprovado, Jorge Portugal. Ele, como convidado da casa para palestrar e eu como professor das turmas para quem ele falaria. Convidado por ele para assumir a fala e diante dos meus alunos, eu contei a minha história, lancei meus agradecimentos e externei minha alegria por aquele momento. Lacrimejando, ele disse: “Eu nunca ouvi história mais impressionante”.

(Fotos: Arquivo Pessoal e Secom)

Morreu um homem que olhou para um adolescente porteiro e deu o melhor que qualquer uma pessoa pode dar a outra: esperança e livros.

25 anos depois e aqui estou eu: Licenciado em Letras, Especialista em Educação e Mestre em Estudos de Linguagens, Professor de Redação. Sigo os passos do grande mestre, graças ao empenho, orientações e visão dos padrinhos Eduardo e Mara Lima, que jamais souberam dessa história senão no dia em que eu encontrei o professor Jorge no palco da escola. Eu imagino que tantos outros jovens foram marcados por esse grande homem e que tenham construído suas carreiras seguindo o exemplo que ele deu.

Sigo meu caminho desejando marcar vidas e ser exemplo para meus estudantes, assim como me inspirei nesse professor. Sigo almejando tocar corações, encorajar sonhos, dar esperança e mostrar que é possível encontrar água no deserto, beleza em dias cinzentos e joias num amontoado de lixo.

Professor também é herói.
Kia kaha.

*Gilmar Souza Costa é mestre em Estudos Linguísticos, especialista em Gestão da Educação e graduado em Letras com Francês

Texto originalmente publicado no Facebook e replicado com autorização do autor

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas