Decisão do TCU ajuda a viabilizar trecho da Fiol

donaldson gomes
31.07.2020, 05:00:00

Decisão do TCU ajuda a viabilizar trecho da Fiol


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Avanço na Fiol
Enquanto aguarda o aval do Tribunal de Contas da União (TCU) para licitar o primeiro trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) – entre Ilhéus e Caetité –, o Ministério da Infraestutura comemora uma decisão do tribunal que deve acelerar as obras do segundo trecho – de Caetité até Barreiras. O governo federal recebeu a autorização para usar diretamente os recursos da renovação antecipada das concessões em investimentos ferroviários. Em resumo, a grana não vai precisar ir para os cofres do Tesouro antes de ser usada, o que vai acelerar bastante os processos. A estimativa do ministério é que a decisão viabilize investimentos de pelo menos R$ 17 bilhões. Os planos do governo são de usar parte do valor de outorga que será pago pela Vale para comprar os trilhos do segundo trecho da Fiol. 

E o primeiro trecho?
O governo federal segue animado com as perspectivas de licitar a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) ainda este ano. O último obstáculo continua sendo o TCU. Recentemente, os técnicos de lá solicitaram a sétima diligência relacionada ao processo, que ainda nem chegou às mãos do ministro relator, o baiano Aroldo Cedraz. A ideia do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, é licitar o primeiro trecho entre Ilhéus e Caetité ainda este ano. O OK para o uso dos recursos em investimentos diretamente foi interpretado como uma simpatia à política de investimentos ferroviários do governo. 

Seguindo o exemplo
Enquanto isso, a ideia da Bamin de utilizar a malha férrea da FCA e o terminal portuário do estaleiro Enseada, em Maragogipe, para escoar uma produção em pequena escala do minério de ferro de Caetité chamou a atenção de outras mineradores. Uma delas, a Oakmont Mineração, que também tem um projeto de mineração no Sudoeste, está cogitando seguir os trilhos, literalmente, da Bamin. A empresa é controlada pelo Fundo Brasil Iron, que há aproximadamente dois anos anunciou o plano de investir US$ 200 milhões na Bahia. Com o ferro na casa dos US$ 100 por tonelada, a operação é interessante, porém a solução definitiva é a Fiol. 

Novo investimento
A empresa baiana Morais de Castro, uma das principais distribuidoras de produtos químicos do país, celebra agora em julho 60 anos com apetite para investir. A empresa duplicou a capacidade de armazenagem e melhorou a estrutura logística da sua unidade em Pernambuco, além de ter construído dois novos laboratórios.

Novo formato 
O Salvador Shopping realiza a primeira promoção de sua plataforma de vendas onlie. A promessa é de até 60% de descontos e frete grátis para quem comprar por lá. Outro benefício é que as compras podem ser realizadas em diversas lojas com pagamento único.

Novo negócio
A recém-lançada Granno Pizzeria já está chegando ao mercado adaptada ao novo normal. Com investimento de R$ 100 mil, os sócios investiram num espaço enxuto e numa estrutura robusta para delivery. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas