Dependência de celular atinge 23,3% de crianças e jovens

ivan dias marques
04.12.2019, 17:23:00
Atualizado: 04.12.2019, 20:06:42

Dependência de celular atinge 23,3% de crianças e jovens


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O que, na prática, parecia certo agora é, de fato, comprovado cientificamente. A dependência de crianças, adolescentes e jovens até 25 anos aos celulares chega a 23,3% segundo um estudo publicado por psiquiatras do Centro de Biomedicina (BMC) da universidade King’s College, de Londres, na última sexta-feira (29).

De acordo com Samantha Sohn, Phillipa Rees, Bethany Wildridge, Nicola J. Kalk e Ben Carter, que assinam o artigo, a dependência de smartphones precisa ser tratada como um distúrbio psiquiátrico. O estudo envolveu 41.871 crianças e jovens, sendo 55% do sexo feminino, entre 2011 e 2017.

O Uso Problemático de Smartphones (PSU, sigla em inglês) foi definido como qualquer comportamento vinculado a smartphones que possui as características de um vício e que foi associado a um aumento de risco de depressão (78%), ansiedade (80%), estresse (65%) e baixa qualidade de sono (78%).

Os cientistas encontraram sintomas como sentir pânico ou transtorno quando o telefone não está disponível, encontrar dificuldades para controlar a quantidade de tempo gasto no telefone e para usá-lo em outras atividades agradáveis. 

“Nosso estudo avalia os efeitos não apenas do uso pesado, mas do uso disfuncional de smartphones e, observando um padrão de comportamento ‘viciado’ em relação aos aparelhos, estabelecemos correlações entre esse tipo de comportamento disfuncional e os piores resultados de saúde mental”, diz o estudo.

“As populações mais jovens são mais vulneráveis ao desenvolvimento de psicopatologias e comportamentos prejudiciais; e condições de saúde mental estabelecidas na infância podem moldar o curso da vida subsequente”, concluem os cientistas ingleses. O estudo, em inglês, pode ser conferido aqui.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas