Desafios da transformação digital

artigo
08.08.2019, 05:00:00
Atualizado: 08.08.2019, 10:33:45

Desafios da transformação digital


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em meio a conceitos como aprendizado de máquinas, inteligência artificial, plataformas, carros autônomos, entre outros tantos, a tecnologia é vista como caminho crítico para a evolução do trabalho, das empresas e da própria sociedade.
 
A transformação digital é um conceito que integra tecnologia, mas também infraestrutura e cultura. Seja no âmbito das organizações, seja na perspectiva da sociedade e dos locais onde ela vive. É uma jornada que já começou, sem volta. Segui-la não é, contudo, nada trivial, se o foco é somente na evolução tecnológica, descolada das questões culturais, das reais necessidades da sociedade ou empresa e da sua maturidade em termos de acesso à infraestrutura de qualidade.
 
Podemos discutir a transformação digital em termos globais, em como ela se desenvolve nos países ricos e mais desenvolvidos ou em como aplicá-la em países como o nosso. Com enormes contrastes culturais, sociais e econômicos.
 
Edmar Bacha mencionou em texto de 1974, O Rei da Belíndia, que o regime militar estava criando um país dividido entre os que moravam em condições similares à Bélgica e aqueles que tinham o padrão de vida da Índia. Trazendo para os dias atuais, guardadas as proporções devidas, será que não estamos, em nossas discussões sobre a transformação digital, criando condições para aprofundar contrastes em nosso país?
 
Por exemplo: na medida em que discutimos a inexorabilidade e as vantagens dos carros autônomos, mas não colocamos na mesa sob quais condições - culturais e infraestrutura - eles funcionariam como esperado ou não estamos favorecendo a criação de ilhas tecnológicas e guetos de atraso?
 
No contexto das empresas e do trabalho, quando falamos em um futuro onde possivelmente as pessoas irão ser substituídas por robôs, mas não em como prepará-las e educá-las para superar esses desafios e para essa transição, não estamos criando condições para a formação de castas profissionais (tecnológicas ou não) ou potencializando abismos que poderão se tornar intransponíveis?
 
Inovação e tecnologia são e serão, sem dúvida, protagonistas no processo de mudança que irão transformar empresas em organizações rentáveis, enquanto promove mobilidade, conforto, qualidade de vida e inclusão para as pessoas. Não se trata de um ideal utópico, mas de um propósito tangível e um objetivo a alcançar nesta jornada. É preciso tomar cuidado, contudo, com o canto da sereia do oportunismo, tão comum em nosso país quando grandes transformações estão por acontecer e tratar o assunto de forma séria e realmente comprometida com o futuro das pessoas. É essa nossa obrigação como consultores e formadores de opinião.

Enio Klein é CEO da Doxa Advisers, professor de pós-graduação na Business School  e especialista em transformação digital

Opiniões e conceitos expressos nos artigos são se responsabilidade dos autores

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas