Dez toneladas de areia são retiradas da orla de Ipitanga após ventanias

salvador
04.07.2017, 20:41:00
Atualizado: 04.07.2017, 20:48:30

Dez toneladas de areia são retiradas da orla de Ipitanga após ventanias

O processo começou pela manhã e se encerrou no final da tarde, deixando as vias livres

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Trabalhadores removem areia (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Depois das fortes ventanias registradas em Salvador nesta terça-feira (4), cerca de 10 toneladas de areia que invadiram vias e calçadas na orla de Ipitanga foram removidas pela Empresa de Limpeza Urbana (Limpurb). A limpeza foi feita por uma equipe com seis agentes de limpeza e uma retroescavadeira, entre outros equipamentos.

O processo começou pela manhã e se encerrou no final da tarde, deixando as vias livres da areia. Segundo a prefeitura, a ação de remoção da areia acontece diariamente em bairros como Itapuã, Piatã e Patamares. A areia limpa é recolocada em seu local de origem.

(Foto: Divulgação/Prefeitura)

Sinalizador
Uma boia sinalizadora da Marinha que fica em alto-mar foi arrastada pelo forte vento na manhã desta terça-feira (4) até a faixa de areia da orla do bairro do Rio Vermelho, em Salvador. O equipamento, de seis toneladas e 12 metros de altura, apareceu nas imediações da Praia da Mariquita e assustou até quem tem intimidade com o mar. Por volta de 1h da madrugada, houve uma rajada de 59 km/h, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Segundo a Marinha, o sinal Cardinal Sul do Banco de Santo Antônio é uma boia luminosa, fixada a cerca de oito quilômetros da praia da Barra, que se desprendeu e derivou até o Rio Vermelho. A função do equipamento é sinalizar às embarcações a localização do Banco de Santo Antônio, local onde a profundidade do mar é reduzida, representando risco de encalhe para embarcações de maior calado (altura do casco abaixo da linha d'água). 

(Foto: Mauro Akin Nassor/CORREIO )
(Foto: Mauro Akin Nassor/CORREIO)

Os pescadores do bairro se impressionaram com a força do vento que foi capaz de arrastar o equipamento que sinaliza para os bancos de areia. "Se o vento foi capaz de arrastar esse sinalizador, imagina o estrago que ele pode fazer com meu barco?", disse o Luiz Cláudio, 38 anos.

"São dois sinalizadores aqui na região, um que fica aqui e um entre Ondina e Barra. Esse aparelho fica na 'cabeça dos bancos de areia' pra evitar que os barcos encalhem", explica o pescador Raimundo Alves, 59.

Destelhamento
Os fortes ventos também foram responsáveis por destelhar parcialmente um sobrado localizado na Rua Paulo Bispo, nos Barris. Segundo os moradores, o telhado de zinco foi arrancado por volta das 2h da madruga desta terça-feira (4). 

A força do vento lançou o telhado para o quintal da residência. Ninguém ficou ferido. "Eu estava dormindo e quase infartei com o barulho do telhado sendo arrancado. Na hora, todos os vizinhos correram para me ajudar", conta a aposentada Lidéria Ribeiro, 86 anos. Ela divide o sobrado com uma neta e o marido dela.

O telhado havia sido reforçado há cerca de dois meses com grampos para evitar que fosse arrancado. Logo após o incidente, os moradores acionaram a Defesa Civil (Codesal), mas, até a manhã desta terça, nenhum agente do órgão esteve no local vai averiguar a situação.

Aulas suspensas
À noite, a Universidade Federal da Bahia (Ufba) suspendeu as aulas no campus de Ondina depois que o local ficou sem luz. Segundo a Coelba, a rede que fica no Alto de Ondina e abastece a região não suportou a força do vento e arrebentou, deixando o campus, a avenida Adhemar de Barro e parte da avenida Anita Garibaldi às escuras. O problema aconteceu por volta das 18h, desta terça-feira (4), e funcionários estão trabalhando no local. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas