Dia dos Namorados: vinhos para impressionar do crush ao mozão

paula theotonio
06.06.2019, 05:00:00
Atualizado: 06.06.2019, 09:50:19

Dia dos Namorados: vinhos para impressionar do crush ao mozão


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Paula Theotonio propõe um celebração cheia de história pra contar (foto/divulgação)

O amor – e a sedução – estão no ar. E como bem sabemos, escolher um rótulo especial e saber apresentá-lo antes de uma degustação a dois impressiona, deixando o outro mais suscetível aos seus encantos. A seguir, veja algumas dicas e sugestões de tipos de vinho para beber no Dia dos Namorados, numa saída romântica ou até mesmo no primeiro encontro.

Eu disse “dicas”, mas basicamente só tem uma: fuja do tradicional!

Se a intenção é realmente impressionar, evite o óbvio. Eu sei que no afã de agradar, você vai buscar rótulos democráticos, como os elaborados com a uva Carménère. Ou se você sabe que a pessoa é fã de uma determinada uva, você vai direto nela. Mas você pode fazer melhor do que isso!

Seu amor ou crush disse que adora vinhos argentinos? Vá de TORRONTÉS – uma uva branca emblemática argentina. Ela é um convite à brincadeira da descoberta de aromas, pois tem muita flor, frutas cítricas amarelas, especiarias e até mel, mesmo nos mais secos. Vai ser como entregar um buquê de rosas engarrafado! Com seus dotes de acidez média a elevada, corpo médio e graduação alcoólica maior que grande parte dos brancos, torna-se uma excelente escolha para harmonizações com risotos sem carne vermelha, queijos, fondues...

Outro branco para você propor é o GERWURZTRAMINER, que também tem flor, fruta e uma certa pimenta entre seus aromas e sabores, porém um certo açúcar residual que encanta àqueles que não gostam de vinhos secos. Mesmo com o nome claramente alemão, a uva tem origem cercada de incertezas: uns dizem que surgiu na Itália, especificamente no vilarejo de Traminer; outros dizem que ela nasceu no norte da Grécia. Mas foi na Alsácia, região francesa que faz fronteira com a Alemanha, que ela encontrou seu melhor lar.

Se o love disse que “adora CHARDONNAY”, busque os de regiões diferentonas: no chileno Vale de Leyda, os rótulos trazem frescor e mineralidade; no Napa Valley, exemplares amadeirados e amanteigados. E explique, rapidinho, o motivo da sua escolha. É irresistível!

Pensou em um rosé? Troque pelo VINHO LARANJA! Tá certo que é mais complicadinho de encontrar, mas veja: você pode explicar que enquanto o vinho rosado é feito de uvas tintas com rápido contato com as cascas (na maior parte das vezes), os laranjas são feitos a partir do contato maior de uvas brancas com suas cascas. Por isso, ganham mais polifenóis, a cor âmbar lindíssima e uma textura mais encorpada. No Brasil, há rótulos como o Faccin Antigo Malvasia – um laranja orgânico, natural, extremamente complexo, equilibrado e fresco.

Quer um tinto mais fácil de beber, porém com história para contar? No lugar da clássica e elegante Pinot Noir, ou da popular Carménère, busque vinhos elaborados com a uva PAÍS – a verdadeira uva chilena. De muita textura e ótima acidez, ela origina vinhos bastante gastronômicos e corpo médio, com taninos macios. Para seduzir, conte que ela é originária das Ilhas Canárias e foi implantada no Chile, pelos espanhóis, há mais de 500 anos. Hoje há vinhedos da casta com mais de 100 anos, que dão excelentes frutos.

Sua companhia reclama de vinhos que “amarram” a boca? Vá de MERLOT. Frutado, sedoso, com taninos e acidez delicados, o vinho com essa uva vai deixar sua conversa fluir a noite inteira. Sei que é uma sugestão clássica, “dentro da caixinha”, mas no tête-à-tête, conte que a Merlot é a cepa do Vale dos Vinhedos, primeira e única Denominação de Origem do Brasil para tintos elaborados a partir dessa variedade. Especial, brasileira e saborosa!

E se vocês são fãs de vinhos fortificados para encerrar a noite, com uma deliciosa sobremesa, trocaria o Vinho do Porto por um MOSCATEL DE SETÚBAL. Tradicionais e conhecidos como “sol engarrafado”, são produzidos há mais de 2 mil anos e possuem um dulçor incomparável, com aromas de casca e flor de frutos cítricos, mel, rosa, tâmaras e passas de uva. Com o envelhecimento, ganha notas de castanhas. E a acidez... nossa! Apaixonante, como sua noite a dois vai ser.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas