Doria reúne ex-presidentes em 'ato institucional' a favor da vacinação

coronavírus
25.01.2021, 18:03:00
Atualizado: 25.01.2021, 18:05:18
(Divulgação)

Doria reúne ex-presidentes em 'ato institucional' a favor da vacinação

Sarney, FHC e Temer participaram; Collor, Lula e Dilma negaram convite

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

No dia em que São Paulo comemora seus 467 anos, o governador João Doria (PSDB) reuniu os ex-presidentes José Sarney, Fernando Henrique Cardoso e Michel Temer para um ato simbólico de vacinação contra o coronavírus. "Não é um encontro político, mas institucional. A favor da vida e da vacina", disse o governador durante o evento em defesa da imunização, no Palácio dos Bandeirantes.

"Pessoalmente convidei todos os ex-presidentes, justamente por entender que não era um ato político", justificou o governador, acrescentando que pediu a amigos em comum que chamassem também Lula e Dilma Rousseff. De acordo com ele, todos declinaram do convite "muito educadamente".

FHC comparou a pandemia de covid-19 às memórias dos pais sobre a gripe espanhola e dele mesmo sobre a Segunda Guerra. "Mas nada disso se compara ao que está acontecendo, porque o vírus não escolhe quem ataca", disse, completando sobre a importância do isolamento social e agradecendo aos profissionais de saúde. "Às vezes acho difícil ficar em casa, mas imaginem quem não tem casa?"

"Me resta a esperança para vencer esta tragédia: a vacinação. Que deve ser feita com a participação e colaboração de todos. É hora de juntarmos esforços para dizer à população brasileira para que colabore com as autoridades sanitárias", disse Sarney, que participou da cerimônia por videochamada e classificou a pandemia do coronavírus como "o maior problema dos últimos anos" O ex-presidente também elogiou o que classificou como "idealismo" do governador de São Paulo.

Temer também celebrou a "simbologia da unidade" na reunião. "O combate ao vírus é tão importante quanto a economia. A vida se vai e a economia de recupera. Que as vacinas venham de onde vierem, desde que bem testadas", afirmou. O ex-presidente ainda agradeceu aos profissionais de saúde, aos voluntários que se submeteram aos testes clínicos e pediu que todos se imunizassem

Sarney, de 90 anos, FHC, de 89, e Temer, de 80, pertencem ao grupo prioritário da fase 1 de vacinação, que contempla idosos acima dos 75 anos. Na semana anterior, a ex-presidente Dilma Rousseff, de 73, recusou o convite para participar do evento afirmando ser "inaceitável 'furar fila'". "Agradeço, mas diante das circunstâncias tenho o dever de recusar a oferta, por razões éticas e de justiça", publicou em nota no seu site oficial. Lula e Collor também recusaram o convite.

O objetivo de Doria era reunir o maior número possível de ex-presidentes durante o evento, formando assim um contraponto ao atual líder do Executivo, Jair Bolsonaro, que tem sido contrário à vacinação no País. Ainda no início deste mês, Bolsonaro decretou um sigilo de 100 anos sobre o seu cartão de vacinação.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas