Duas produtoras baianas estão no topo da caixa-preta bilionária da Ancine

satélite
02.03.2021, 07:05:00
Atualizado: 02.03.2021, 07:10:24

Duas produtoras baianas estão no topo da caixa-preta bilionária da Ancine


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Duas produtoras de cinema da Bahia que integram o ranking das 25 grandes captadoras de recursos públicos destinados pelo Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) figuram entre as empresas com participação alta no passivo de R$ 3,5 bilhões da Ancine, causado por falta de prestação de contas. De acordo com levantamento obtido pela Satélite, a Truque e a Tem Dendê ainda não comprovaram onde foram aplicados, respectivamente, R$ 11,5 milhões e R$ 4 milhões repassados para financiar obras selecionadas pela Agência Nacional de Cinema. Reconhecida no mercado cinematográfico como uma das principais produtoras do estado, a Truque ocupa o 22º lugar na lista de maiores beneficiárias das verbas direcionadas de 2008 a 2020 pelo FSA em todo o país, com R$ 18 milhões captados no período.

Cinema novo
Criada há apenas nove anos, a Tem Dendê aparece na 11ª posição do ranking da Ancine, com captação de R$ 22,5 milhões. No entanto, é a quarta maior do Brasil no bolo de verbas distribuídas pelo fundo de 2018 a 2020.

Além das estrelas
Em conversas reservadas, servidores que atuam junto à cúpula da Ancine se disseram surpresos ao cruzar os dados referentes às contas não prestadas pela Tem Dendê com a relação das empresas que abocanharam os maiores volumes de recursos destinados a incentivar a indústria audiovisual brasileira. No levantamento, a fatia da Tem Dendê supera a de produtoras comandadas por cineastas famosos e premiados, como Luiz Carlos Barreto, Fernando Meirelles e Cacá Diegues.

Fora da ordem
Fontes da Ancine ouvidas sob a condição de anonimato afirmaram que as duas produtoras da Bahia tentaram comprovar o uso de recursos inscritos no passivo bilionário da agência através de planilhas sem qualquer valor oficial e sem apresentar documentos fiscais, como exige a lei.

Bala trocada
A abertura da caixa-preta da Ancine, prevista para breve, é efeito da guerra lançada contra a agência por produtoras de cinema com contas irregulares, mas interessadas em  novos repasses do fundo.

Pausa do vírus
O boom da covid paralisou uma série de investigações que já estavam engatilhadas no Ministério Público Federal. Entre as quais, novas investidas da Operação Faroeste sobre suspeitos de participar da venda de sentenças na Justiça estadual. A ordem da Procuradoria-Geral da República é abortar todas as ofensivas que envolvam prisões e mandados de busca e apreensão onde há restrições rigorosas em andamento - o que inclui a Bahia, foco da Faroeste.

Giro de chave
O movimento no alto escalão do governo do estado e da prefeitura de Salvador aponta para um maior endurecimento das medidas adotadas para frear o galope da pandemia. Pela nitidez dos sinais, a intensificação do cerco é para um futuro bem próximo.

"As igrejas têm um papel fundamental no sentido de dar suporte e renovar a fé das pessoas. As instituições religiosas acolhem e dão  força  para enfrentar as adversidades da pandemia" - Kátia Oliveira, deputada estadual do MDB, ao comemorar a decisão do governador Rui Costa que autoriza os templos religiosos da Bahia a realizarem atividades presenciais com até 30% da capacidade

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas