'Durmo com a consciência tranquila', diz goleiro Bruno sobre Eliza Samúdio

brasil
08.09.2020, 08:55:52
Atualizado: 08.09.2020, 08:58:36
(Foto: Marcelo Albert/TJ-MG)

'Durmo com a consciência tranquila', diz goleiro Bruno sobre Eliza Samúdio

10 anos após assassinato, ele disse que foi condenado injustamente

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

10 anos após o assassinato de Eliza Samúdio, para o qual foi condenado a prisão, o goleiro Bruno disse que não precisa pedir perdão a ninguém e que dorme com a consciência tranquila. 

"Não (devo pedir perdão para ninguém). Todas as pessoas que pedi perdão já me perdoaram. Durmo com a minha consciência tranquila", afirmou Bruno em entrevista ao SBT.

Ele também disse que considera a sua condenação injusta. "Lógico que não (foi justa a condenação). Tem uma pancada de erro", disse. Perguntado se era um anjo, ele disse: "Não, mas também não fui esse demônio".

O goleiro afirmou que não era o mandante ou responsável do assassinato de Eliza e que não volta mais para a prisão. Ele joga atualmente no Rio Branco, do Acre, que disputa a Série D do Campeonato Brasileiro. "Eu não sou o mandante", disse ele. "Pra prisão eu não volto, nunca mais", completou.

O jogador se recusou a falar mais sobre a morte de Eliza e deixou a entrevista após insistência do jornalista Roberto Cabrini. "Você veio aqui para fazer a entrevista sobre recomeço, acho melhor a gente encerrar por aqui".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas