É mito achar que não comer carne seja sinal de má nutrição

artigo
16.12.2019, 09:20:00
Atualizado: 16.12.2019, 09:22:14

É mito achar que não comer carne seja sinal de má nutrição


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Na pré-história, o homem se alimentava basicamente de vegetais, ele colhia o que achava na natureza, e sua dieta era basicamente vegetariana. Com o surgimento dos primeiros instrumentos, como lanças e arpões, o homem ampliou sua dieta alimentar, e começou a caçar animais, o que lhe conferiu “poder”, mesclando o consumo de vegetais com as carnes. A descoberta do fogo, conferiu ao homem mais “poder” sobre a natureza e ele percebeu que a cocção retardava o apodrecimento da carne e melhorava a palatabilidade das mesmas.

Os alimentos passaram do estado cru para o cozido, ou seja, a natureza se transformando em cultura, é quando surge a 1ª técnica de conservação dos alimentos. A partir daí, o homem praticamente, passou a ter uma alimentação carnívora, em sua totalidade, deixando os vegetais em segundo plano até a idade contemporânea. 

As proteínas de origem animal (carnes, ovos, leites e derivados) são de alto valor biológico por possuírem todos os aminoácidos essenciais ao organismo humano, mas, dentre os macronutrientes (carboidratos, proteínas e lipídios), a proteína é que deve ser consumida em menor quantidade na dieta diária, mas o brasileiro consome numa quantidade desproporcionalmente maior ao que se é preconizado.

Talvez, esse consumo excessivo se deva a vários fatores, seja para ganhar massa muscular, seja por achar que é o alimento que “sustenta”, seja por motivo cultural, pois a carne é alimento identitário de algumas regiões brasileiras (RS E MT) ou porque “confere poder”, pois a carne de boi sempre foi cara, e não é à toa que existe uma diferenciação entre as partes de um mesmo animal (carne de 1ª e carne de 2ª), ou, ainda, seja porque a falta da carne expressa pobreza, escassez.

É um mito achar que “não comer carne” seja sinal de má nutrição ou de escassez. Os alimentos de origem vegetal são fontes de carboidratos, proteínas, vitaminas e minerais, são indispensáveis para a saúde, e cada dia mais estão sendo utilizados, justamente para uma melhor nutrição. Existem diversas possibilidades de produções culinárias, com vegetais, ovos, leites e derivados.

A preocupação com a questão ambiental, com a sustentabilidade, com a saúde, com a adesão cada vez maior a uma alimentação não convencional, como o vegetarianismo, por exemplo,  são fatores que colaboram para a redução das produções em larga escala comercial, como a da carne, que vai ficar cada  vez custará mais.

Maria Helena Motta é nutricionista, tecnóloga em gastronomia e professora de Gastronomia da Estácio

Conceitos e opiniões expressos nos artigos são de responsabilidade dos autores
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas