Eleição de Joe Biden e a política externa brasileira

artigo
17.11.2020, 05:21:00
Atualizado: 17.11.2020, 06:20:38

Eleição de Joe Biden e a política externa brasileira


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

“Trump não é a pessoa mais importante do mundo”. Foi assim que, na sexta-feira (06/11), o presidente Jair Bolsonaro comentou as eleições nos EUA. O presidente brasileiro moderou o tom sobre as eleições presidenciais norte-americanas pois, mesmo publicamente demonstrando sua simpatia pela reeleição de Donald Trump, percebeu que a chegada de Joe Biden à Casa Branca era o cenário mais provável.

A agenda de Joe Biden, próxima daquela proposta por Obama, apresenta uma tendência mais negociadora e aberta à participação em regimes internacionais. Na corrida presidencial, Biden anunciou o retorno à Conferência de Paris que versa sobre questões ambientais. Esse é um tema importante para os EUA, que perde protagonismo nessa questão e abre espaço para que os europeus e até mesmo os chineses se tornem a voz que direciona as decisões.

No primeiro debate na TV, o democrata citou as queimadas na Amazônia como tema importante se fosse eleito. Chegou a mencionar duas direções para a questão: possibilidade da criação de um fundo para a região, ou, se não houvesse acordo com o governo brasileiro, a implementação de sanções econômica ao país. O presidente Bolsonaro twittou no dia seguinte que a soberania brasileira era inegociável.

A vitória do Biden aponta para um cenário de menor entusiasmo para o presidente Bolsonaro e para seu chanceler Ernesto Araújo, que abertamente demonstraram apoio à reeleição do Trump, e talvez um processo de descontinuidade no padrão de alinhamento que havia sido inaugurado na “dobradinha” Trump/Bolsonaro.

As sinalizações de Joe Biden e as ações concretas do democrata em temas como a Amazônia serão importantes para balizar as relações Brasil-EUA no próximo ano. Dois caminhos são possíveis: um maior distanciamento brasileiro das discussões internacionais ou ainda uma postura mais pragmática e com tom mais moderado quanto aos temas que serão abordados pelos EUA. No entanto, algo é certo, mesmo com essa “troca de farpas” iniciais entre Biden e Bolsonaro: as relações entre os dois países vão continuar sendo vitais para a diplomacia brasileira e a equipe do governo vai precisar buscar novas formas de se adaptar à nova realidade com o Biden na presidência.

A relação Brasil-EUA é uma das mais tradicionais em termos de política externa brasileira e tem sua importância definida desde o período conhecido como I República ou República Velha. Nesse período, os EUA conseguem se tornar os principais parceiros comerciais do Brasil. Na atualidade, os EUA são o segundo parceiro comercial brasileiro, perdendo somente para a China, que nos anos 2000 chegou ao primeiro lugar. Mesmo assim, os EUA ainda são importantes investidores no Brasil e definitivamente têm influência política e cultural em nosso país.

Sâmia Franco é coordenadora do Escritório Internacional e professora do curso de bacharelado em Relações Internacionais da Unijorge

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas