Em abril, RMS tem deflação de 0,22%, maior queda de preços do país

economia
10.05.2017, 16:01:00
Atualizado: 10.05.2017, 16:14:08

Em abril, RMS tem deflação de 0,22%, maior queda de preços do país

A deflação na Região Metropolitana de Salvador (RMS) foi puxada pelos custos de habitação e transportes segundo análise do IBGE

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação no país ficou em –0,22% no mês de abril na Região Metropolitana de Salvador (RMS). O índice é o menor registrado entre as regiões pesquisadas pelo IBGE e ficou abaixo das variações de março (0,04%) e de abril de 2016 (0,62%).

No mês de abril, a inflação na Região Metropolitana da capital baiana ficou bem abaixo da média nacional (0,14%) e, dentre as regiões pesquisadas, a de Salvador (-0,22%) foi a que teve a menor variação no IPCA. Ao todo, quatro regiões registraram variações negativas nos preços. O maior IPCA de abril foi no Distrito Federal (0,54%).

Dos nove grupos de produtos e serviços que compõem o IPCA, seis apresentaram deflação em abril, na RMS. Habitação (-1,15%) teve o maior recuo, seguido por Transportes (-0,82%). Foram também, nesta ordem, os grupos que mais puxaram a inflação para baixo. Em Habitação, a energia elétrica residencial exerceu a principal influência. Com variação negativa de –10,78% foi, individualmente, o item que mais contribui para a deflação de abril na RMS.

No caso da energia elétrica, a deflação foi influenciada por descontos aplicados sobre as contas, por decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e de modo a compensar os consumidores pela cobrança indevida, em 2016, do chamado Encargo de Energia de Reserva (EER) destinado a remunerar a usina de Angra III.

Além da energia elétrica, a gasolina, que teve redução de –4,29%, também teve contribuição decisiva para o IPCA de abril na RM Salvador. Ambos são produtos de grande peso no orçamento das famílias.

No acumulado em 2017, o IPCA para a RMS está em 1,06%, abaixo do acumulado no mesmo período de 2016 (3,62%) e passando a ficar abaixo da média para o Brasil (1,10%). Nos 12 meses encerrados em abril, o IPCA na RMS acumula aumento de 4,08%, abaixo dos 4,96% registrados nos 12 meses anteriores, encerrados em março, e exatamente igual à média nacional nesta comparação (4,08%).

INPC foi de –0,20% em abril
Na Região Metropolitana de Salvador, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação percebida pelas famílias com menores rendimentos, ficou em –0,20% em abril, abaixo do 0,14% registrado em março e menor, inclusive, do que o índice de abril de 2016 (-0,07%).

O INPC registrado em Salvador (-0,20%) ficou abaixo da média de todas as regiões pesquisadas (0,08%) e acima apenas do índice de Campo Grande (MS) (-0,38%). Em 2017, o INPC da RM Salvador acumula 1,11%, abaixo do acumulado no mesmo período em 2016 (3,54%). Já o acumulado nos 12 meses terminados em abril ficou em 4,15% também desacelerando em relação aos 5,08% registrados nos 12 meses encerrados em março.

Com informações do IBGE.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas