Em jogo fraco, time B do Bahia empata com Atlético de Alagoinhas

e.c. bahia
06.02.2019, 23:10:00
Atualizado: 07.02.2019, 10:13:48
Caíque comemora gol de empate com o Atlético. Foi o primeiro do atacante como profissional (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Em jogo fraco, time B do Bahia empata com Atlético de Alagoinhas

Igualdade em 1x1 no Carneirão colocou o tricolor no G4 do Campeonato Baiano

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Atuando com o time B, o Bahia não passou de um empate por 1x1 com o Atlético de Alagoinhas, na noite desta quarta-feira (6), no estádio Carneirão, no interior. O tricolor foi buscar o empate com gol de Caíque após o time do interior sair na frente em cobrança de pênalti de João Neto.

O resultado foi o suficiente para colocar o Bahia no G4 do Campeonato Baiano, com cinco pontos, ocupando agora a terceira colocação.

Quando a bola rolou no Carneirão quem assustou primeiro foi o time de Alagoinhas. Na jogada em velocidade, o meia Gabriel Esteves disputou bola com Ignácio na área e caiu. O árbitro viu pênalti que João Neto fez valer a "lei do ex" e abriu o placar, aos 8 minutos.

A resposta tricolor foi rápida e dois minutos depois veio o empate. Também em velocidade, Iago passou pela marcação do lateral Edcarlos e cruzou para Caíque completar de cabeça para as redes.

As emoções no primeiro tempo pararam por aí. Depois do início intenso, o nível técnico da partida caiu e os dois times apresentaram dificuldades na criação das jogadas. Só nos acréscimos os goleiros voltaram a trabalhar.  O Atlético levou perigo em chute de Túlio que Fernando mandou para escanteio. O Bahia respondeu em cobrança de falta forte de Clayton, mas Rodrigo espalmou.

Mais do mesmo
Para tentar mudar o panorama da equipe, o Atlético voltou do intervalo com Alysson no lugar de Edcarlos e Rafael Granja na vaga de Alessandro Azevedo. Mas a primeira boa chance só saiu aos 10 minutos. João Neto recebeu dentro da área, girou sobre o marcador e bateu forte. Fernando fez a defesa. Um minuto depois, foi a vez de Peixoto aproveitar a jogada de escanteio e raspar de cabeça para acertar a trave tricolor. 

Do outro lado, o Bahia seguia com as mesmas dificuldades do primeiro tempo. O tricolor até conseguiu balançar as redes aos 16 minutos, após cruzamento de Clayton que Caíque mandou para o fundo do gol, mas o árbitro anulou erroneamente o tento, alegando que a bola havia saído pela linha de fundo no momento da assistência. 

A situação se complicou para o time do interior a partir dos 25 minutos. Machucado, Rafael Granja deixou o campo. Como o Carcará já havia feito as três substituições, teve que terminar o duelo com um jogador a menos. Mesmo com um homem a mais durante boa parte do segundo tempo, o Bahia pouco assustou o goleiro Rodrigo. 

Na tentativa de reação, Cláudio Prates colocou em campo os atacantes Rodrigo e Uéslei Júnior, mas as mudanças não surtiram efeito. Nem mesmo os cinco minutos de acréscimos foram suficientes para alterar o placar.  

Em situação no mínimo inusitada, o Bahia volta aos gramados nessa quinta-feira (7) quando recebe o Liverpool do Uruguai, às 18h15, na Fonte Nova, pela estreia na Copa Sul-Americana. Desta vez o tricolor entrará em campo com o time principal. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas