Em show no Fuzuê, Saulo diz que está ansioso pela pipoca no Carnaval

sua diversão
22.11.2017, 17:13:00
Saulo durante programa da Bahia FM nesta quarta-feira (22) (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Em show no Fuzuê, Saulo diz que está ansioso pela pipoca no Carnaval

Evento gratuito aconteceu nesta quarta no Shopping Cajazeiras; cantor convidou fãs para o palco; veja vídeos

Uma bata, um chinelo e um valor muito acima de 50 centavos, mesmo quando o evento é gratuito. Essa mistura pôde ver vista e ouvida por quem deu uma passadinha, nesta quarta-feira (22), pela Praça de Alimentação do Shopping Cajazeiras, onde estava o cantor e compositor Saulo Fernandes. O artista foi o primeiro convidado da segunda temporada do projeto Fuzuê Especial no local, que promove shows e bate-papos de artistas da música baiana, abertos ao público e transmitidos ao vivo pela Rádio Bahia FM (88,7), no Programa Fuzuê. 

cajazeiras

Saulo entre os apresentadores Nanny Monteiro e Maurício Habib, no Fuzuê Especial, no Shopping Cajazeiras
(Foto: Marina Silva/CORREIO)


Saulo, que divulga o seu terceiro trabalho solo, batizado de O Azul e o Sol, misturou no palco antigos sucessos e músicas inéditas, que estão na boca do público, ainda que o álbum tenha pouco mais de quatro meses nas lojas.

No Dia do Músico, desde 11h da manhã, a praça misturou pessoas de várias gerações, que pulavam e foram às lágrimas com as canções do compositor. “Você é um poeta!”, gritou al´guém da plateia. E, com o gancho dado, o cantor reforçou o conceito do novo álbum. O Azul e o Sol reúne música e poesia, são escritos recitados e cantados em 15 faixas. “Tinha mais de 30 músicas na seleção, tenho mil álbuns aí nas gavetas, mas a gente vai indo aos poucos. Quis misturar, dessa vez, textos e canções, como fiz na música Anjo”, pontuou o artista, ainda afirmando que o título do novo projeto é metafórico, e representa os possíveis significados do azul, que podem ir da tristeza à alegria, assim como os do sol, que podem ir da alegria ao queimar.

Ao meio-dia, com a canção Agradecer, Saulo iniciou a conversa com os apresentadores Nanny Monteiro e Maurício Habib. Ao ser questionado sobre ter uma música como aposta do Carnaval de 2018, o cantor brincou: “Minhas músicas são para tocar no coração, muitas acabam não sendo comerciais assim. Deixo minhas apostas para o Psirico”, disse, finalizando aos risos.

“Hoje, no Dia do Música, só queria lembrar que o sistema parece, por vezes, cansar, esgotar, copiar, se repetir. Mas a música em si, a arte sincera, não passa por isso. Temos aí Àttooxxá, Neojiba, BaianaSystem. A questão é querer olhar pros lados, porque sempre tem sinceridade sendo produzida. Só encontra quem busca, né não? Sou defensor do samba-reggae e das misturas musicais. Nada fica assim, em caixinhas, só o que é forçado”, declarou, em crítica à industria musical.

Em meio aos discursos críticos, o burburinho da plateia apontava para Luana Lopes, de 17 anos, e Gabriel Nunes, ambos apaixonados por música e fãs de Saulo. O artista não perdeu tempo e chamou os dois para o palco. LCom Gabriel,  cantou Reggae do Porto, e com Luana,  Não Precisa Mudar. “Temos tantos talentos, tão vendo? Não é só essa massa empurrada pelo sistema não! Cadê a força pra essa galera escondida crescer? Bora fazer mais!”, alertou Saulo. Confira vídeos:





Distribuindo abraços para os fãs que subiram no palanque, o artista declarou estar ansioso para ver as pipocas do próximo Carnaval, e iniciou uma sequência de curiosidades deixadas no ar. “Em janeiro vou divulgar uma festa massa!”, disse em tom de suspense. “Vamos ter muitos convidados especiais nesse Carnaval, viu?”. Quem, Saulo? Conta pra gente! A turnê do novo álbum, que já passou por locais como Aracaju, chega em Salvador após o Carnaval. Mas, exatamente quando? Mais suspense ele fez.

“Bahia correria, quem disse que a ladeira é da preguiça?”. Acabou aí os suspenses. Saulo estava declarando trechos do novo álbum, que trazem, em meios às letras românticas, críticas sobre estereótipos e frases que celebram a cultura baiana.

Canções como Raiz de Todo Bem e Preta faziam coro por quem caminhava e parava no local. “Ouvi muito Milton Nascimento e Gilberto Gil, mas escutava muito essa também ó”, disse o artista antes de fazer pais colocarem as crianças nos ombros para cantar Aquarela, de Toquinho. “Quem disse que música de criança é só de criança?”, exclamou Saulo.

O artista finalizou convidando os soteropolitanos para o Réveillon Maré Blu, que apresentará com Jau, Fred Nunes e DJ’s, na Barra Maré Blu, em Vilas do Atlântico. Os ingressos, a partir de R$ 250, podem ser adquiridos nos Balcões de Ingressos dos Shoppings de Salvador, na Barraca Maré Blu e no Santa Música Vilas.

Nos meses de novembro e dezembro, sempre às quartas-feiras, das 12h às 13h, o projeto Fuzuê Especial continua com música e entrevistas, no mesmo local. O grupo Olodum será o próximo convidado, quarta-feira (29), também para antecipar novidades do Verão.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas