Empregos & Soluções: 'Eu consegui um emprego e hoje ganho R$ 2,4 mil’, diz cadeirante

empregos
13.02.2017, 09:29:00
Atualizado: 13.02.2017, 10:17:13

Empregos & Soluções: 'Eu consegui um emprego e hoje ganho R$ 2,4 mil’, diz cadeirante

Técnico em eletrotécnica da Coelba, Hebert concorreu a vaga com pessoas sem deficiência e foi selecionado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O técnico em eletrotécnica Hebert dos Santos concorreu a vaga com pessoas sem deficiência e foi selecionado (Foto: Divulgação/Coelba)

Hebert dos Santos, 30 anos, técnico em eletrotécnica. Confira depoimento*:

"O que consegui conquistar foi fruto do meu esforço. As dificuldades que enfrentei e enfrento até hoje com a precária infraestrutura da cidade e do transporte público não foram obstáculos em minha vida. Sofro de osteogênese imperfeita, uma doença congênita conhecida como “ossos de vidro” que, pela falta de produção de cálcio e colágeno, deixa os ossos frágeis.

Na infância, tive diversas fraturas nos membros inferiores e, aos poucos, passei da muleta para a cadeira de rodas, que uso há dez anos. Mas sempre tive o suporte da minha família, que passou por muitas dificuldades para que eu pudesse estudar e realizar meus desejos.

Meu pai me levava e me carregava todos os dias para a escola. Foi graças a ele que hoje tenho duas formações. E já estou rumo à terceira: engenharia industrial elétrica. Foi em 2014 que consegui o meu primeiro estágio.

Concorri com outros candidatos sem deficiência para uma vaga na Coelba, e fui o escolhido. Com oito meses lá, fiz uma seleção interna para técnico da unidade de encerramento de obras e passei. Hoje ganho R$ 2,4 mil. Mas sei que não é a situação de muitos. Conheço outros PCDs que não têm o mesmo suporte que tive, e que não conseguem se capacitar e conseguir um emprego por conta das dificuldades de deslocamento". 

Empresas recrutam 150 trabalhadores com deficiência na Bahia

*Texto escrito por Renata Drews a partir de entrevista concedida pela fonte

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas