Empresário suspeito de matar morador de rua em SP é preso na Argentina

brasil
27.09.2019, 16:07:00
Atualizado: 27.09.2019, 16:14:19
(Reprodução)

Empresário suspeito de matar morador de rua em SP é preso na Argentina

Vídeo registrou o momento que o suspeito se aproxima e atira na vítima

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O empresário Marcelo Pereira de Aguiar, 36 anos, suspeito de seguir e matar um morador de rua em Santo André (SP), foi preso pela polícia da Argentina na cidade de Paso de los Libres, na fronteira com o Brasil. 

Sebastião Lopes foi morto em 11 de maio, na Rua Visconde de Mauá, durante a madrugada. O empresário suspeito já tinha prisão decretada desde duas semanas após o crime e estava foragido. 

A Interpol diz que vai repassar à Argentina a informação sobre o mandado de prisão para que comecem os trâmites de extradiçaõ. 

A polícia não sabe o que motivou o crime. A suspeita é que Marcelo não gostava que Sebastião dormisse em uma casa abandonada que ficava perto de sua pizzaria, pedindo dinheiro aos clientes do local. 

Houve alguma animosidade entre eles, não sabemos exatamente que tipo de animosidade. Nós apuramos que Marcelo não gostava que o morador de rua dormisse nessa obra abandonada, a cinquenta metros da pizzaria. E que eles já tinham discutido porque Sebastião costumava pedir dinheiro aos clientes que estacionavam na rua. Foi bem covardemente que aconteceu”, explicou na época a delegada Roberta Aidar. 

No apartamento de Marcelo, a polícia achou duas armas de grosso calibre - acredita-se que ele era colecionador de armas. Ele já tinha sido preso no começo de março, em São Bernardo, por porte ilegal de arma de fogo. Testemunhas na época denunciaram que ele abordava pessoas dizendo que era policial federal. 

Crime
Viúva de Sebastião, Dalva de Araújo Costa, 52, contou ao G1 que os dois conheciam os funcionários da pizzaria, que os tratavam bem. "Nós conhecíamos eles. A gente passava lá na frente, eles davam pizza para nós, a gente sentava lá... Teve um dia que esperamos a chuva passar lá do lado de fora... Eu não acredito que tenha sido eles não. Não, eles não. Um (deles) era do Ceará, chamava ele de Ceará”, diz. 

Ela viu as imagens das câmeras de segurança que gravaram quando o carro chega na rua, o assassino desce e atira contra Sebastião. Não conheceu o atirador. "Eu estou daquele jeito. Revoltada, entendeu, com o que fizeram. Ele sempre foi legal, brincalhão. Não tinha briga com ninguém, nunca vi ele brigar com ninguém. O que ele fazia era brincar com os outros na rua, diziam que ele era primo do Tiririca porque sempre zoava o pessoal".


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas