Empresas fazem simulado de vazamento de óleo na Baía de Aratu

bahia
30.05.2019, 17:00:00
(Foto: Divulgação)

Empresas fazem simulado de vazamento de óleo na Baía de Aratu

Protocolo é realizado anualmente, para evitar desastres ecológicos

Um simulado de vazamendo de óleo no solo e no mar foi realizado na manhã desta quinta-feira (30), na Baía de Aratu, entre os municípios de Madre de Deus e São Francisco do Conde.

O evento, realizado anualmente, contou com embarcações de combate, brigadistas, técnicos, especialistas e todo um aparato de equipamentos e produtos específicos para o combate a emergências. Para que a simulação tivesse efeito verídico, foram utilizadas cinco embarcações, skimmers, tanques, mantas absorventes e barreiras flutuantes de contenção para evitar espalhamento do óleo.

O evento contou com a participação de cerca de 80 pessoas. Dentre elas, estavam profissionais das empresas Transpetro, Dow, Petrobras, Braskem, Ultracargo – Tequimar, Vopak, Ford, Terminal Portuário Cotegipe, Codeba, Base Naval de Aratu, Belov Engenharia, Fafen, Aratu Iate Clube, Marina e Estaleiros Aratu, MFX do Brasil e Ocema Iate Clube. Também marcaram presença representantes da Capitania dos Portos, Base Naval de Aratu, Ibama, Inema, Secretaria de Meio Ambiente de Madre de São Francisco do Conde e Defesa Civil de Madre de Deus. Todos atuaram no controle do tráfego e acesso à Baía de Aratu e das comunidades do entorno.

Os simulados anuais são realizados pelas empresas do Plano de Área da Baía de Aratu e buscam aplicar as práticas de segurança, meio ambiente e saúde para aprimorar o desempenho das equipes, identificar pontos de melhoria e dimensionar recursos em cenários críticos.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas