Enquanto houver raiva correndo nas veias da torcida, há sangue e amor

artigo
04.06.2018, 05:00:00
Atualizado: 04.06.2018, 11:44:55

Enquanto houver raiva correndo nas veias da torcida, há sangue e amor

Mesmo com a mente cheia de hematomas pelos infortúnios e desbaratinos provocados pelo desgovernado Vitória, insisti até quando deu. Apertei a mente de minha mulher até quando pude. Ela, prudente e inteligente, percebeu o cheiro de injúria logo logo. “Bora pra Santos ver o Vitória?”. “Se saia.”, replicou, meiga e corretamente.

Sua peremptória decisão foi secundada pela previsão do tempo. Para o domingo, chuva e temperatura que não passaria dos 16 graus na máxima. Além do mais, coisa de que ela não sabia, mas a gente que é besta sim, o 11 rubro-negro iria a campo com Lucas, Botelho e Correia. E Mancini no banco. E David na presidência. Soubesse ela o que isto significa, já teria sugerido internação por simplesmente sugerir o programa.

O domingo amanheceu escuro, chuvoso, molhado, frio, pedindo cobertor e chocolate quente. A Seleção fez sua parte no embalo de Neymar e Firmino. #VaiTerCopa! Atrevido, ainda perguntei, esperançoso: “Partiu, Santos?”. Meus amigos, coloquem-se no lugar da digníssima e imaginem a cara com que ela me olhou. Fui fuzilado, trucidado, amaldiçoado, xingado com suas castanhas retinas em mais 59 idiomas. Arredondando pra baixo, seria algo como “me erre”. Ficamos em SP, o #PartiuSantos virou #PartiuOsasco, rumo à casa dos sogros, onde o pai dela, santista, já dava os 3 pontos como garantidos.

A TV rodou o diminuto estádio e filmou a meia dúzia de gatos pingados, malucos rubro-negros que se sacudiam dentro de capas de chuva, um frio da zorra. Guerreiros ou loucos? Porque, minha gente, a pessoa parar para assistir a um espetáculo lamentável já é algo próximo a tortura. Pagar para isso, esteja certo, se aproxima de algum desequilíbrio mental severo.

E logo o show de horrores dos de branco – que não era o Santos, vestido de azul com a cruz da bandeira da Inglaterra, mas sim o um dia glorioso time baiano – foi iniciado. Era canelada pra cá, passe errado pra lá, e o Santos em cima. Lucas, Botelho e Correia, o trio desconjuro, desfilando sua costumeira incompetência. Mancini, com o GPS desligado, perdidinho da Silva. E a meia dúzia cheia de “é possível”. Não, não era. Não foi.

Logo, bola na trave. Em seguida, gol anulado. A blitzkrieg santista desnorteava o bando baiano. E Rodrygo, craque de 17 anos da base praiana, porque lá a molecada joga e encanta, meteu foi logo três no primeiro tempo, para ainda ver Renato, subir pra marcar de cabeça no meio da plantada zaga. O juiz apitou o intervalo com o placar gritando 4x0 para o Santos, fora o baile.

A vergonha escorria na cara e na capa dos lunáticos que se propuseram à insanidade de descer a serra rumo ao Urbano Caldeira, sádica e impertinente. A raiva latente pulsando forte nas veias e na têmpora. Na volta do congelante intervalo, três substituições de baciada. Desta vez, lá vinha ao campo de jogo Ramon. Um redondo André Lima. E Lucas Marques.

Aqueles que reclamam que o time tem que jogar improvisado, estão certos. Mas o problema é mais grave. Estão todos improvisados. São gente disfarçada de jogadores, de técnico e de diretoria. Chego até a pensar que não é bem assim quando reclamam que o elenco não é bom. Até que é. O problema é que estão no esporte errado.

O Santos, piedoso, reduz o ritmo, sofre incomemoráveis dois gols, faz mais um. O 5x2 dói fundo na alma. Não nos iludamos: poderia ser muito mais. O jogo acaba com o sogro segurando o ímpeto para não pisar no genro sofrido. Minha mulher comenta, num lamento aliviado “ainda bem que VOCÊ não foi”. “Ainda bem”, respondo eu, abocanhando um pastel caseiro acompanhado de um café quentinho feito na hora. “Ainda bem mesmo.”

Penso melhor. Teria sido algo reconfortante ter puxado a fila serra abaixo a partir da capital paulista para poder, simplesmente, xingar e extravasar a ira que se acumula na torcida que se vê sendo empurrada para longe pelo clube. A instituição Vitória repele os seus, rumo ao desmantelo e a irrelevância. 

No frio de um outono gélido pelas bandas de São Paulo, é sempre bom lembrar que enquanto ainda houver raiva correndo nas veias da torcida, há sangue e amor. 

Porque a temperatura lá fora e a distância imantada entre clube e arquibancada estão se esforçando para congelar este sangue, que quando parar de pulsar, significa a derrocada final de uma centenária agremiação saqueada pelos incautos, cínicos que se escondem em retóricas fake news de coletivas propagadoras de infâmias. #ForaTodoMundo!

Mas persistiremos. Não permitiremos o triunfo dos infames. Nossa loucura de arquibancada será sempre maior que os incautos burocratas que na caneta insistem em nos afastar. Ergo o punho em resistência, de olhos fechados para não enxergar o óbvio. Vemos o sofrimento na esquina e já vamos correndo querendo passar. A vergonha se aproxima e a gente fazendo sala. Somos torcedores, véi. Vai tentar explicar? Dia 9 tem mais. Itaquera, aí vou eu. Bora?

Gabriel Galo é escritor