Envolvidos no ataque ao ônibus do Bahia vão responder por lesão corporal leve

e.c. bahia
01.07.2022, 20:13:00
Inquérito que apura o crime foi concluído pela Polícia Civil (Foto: Reprodução )

Envolvidos no ataque ao ônibus do Bahia vão responder por lesão corporal leve

Decisão causou indignação no clube

O Bahia mostrou total indignação com a Polícia Civil, que indiciou os envolvidos no atentado ao ônibus do clube por lesão corporal leve e crime contra a incolumidade pública, na modalidade explosão. Nas redes sociais, o clube lembrou que o caso foi grave e quase cegou o goleiro Danilo Fernandes.

“Atenção, Brasil: sabe o atentado ao nosso ônibus, que quase cegou Danilo Fernandes e poderia ter matado pessoas? Após 4 meses de inquérito e promessa de rigor das autoridades, a Polícia da Bahia encerrou o caso como LESÃO CORPORAL LEVE. Quando morrer alguém, não adiantará lamentar”, disse o clube em nota.

Quatro pessoas foram indiciadas pelo ataque, todos membros da torcida Bamor. O presidente da organizada e proprietário de um dos carros envolvidos no atentado chegou a ser ouvido, mas foi liberado. Os demais respondem em liberdade. A delegada Francineide Moura, que acompanhava o caso, chegou a falar que eles responderiam por tentativa de homicídio, o que não aconteceu. Ela, no entanto, foi substituída na 6ª Delegacia por Marcelo Tannus. 

Após a decisão, o Ministério Público pediu novas diligências à Polícia Civil para continuar com a investigação. Se a decisão for mantida, os acusados poderão pegar detenção de três meses a um ano por lesão corporal, e reclusão de três a seis anos, além de multa, por crimes contra a incolumidade pública.

No dia 24 de fevereiro, o ônibus do Bahia foi emboscado na Avenida Bonocô a caminho da Fonte Nova, horas antes da partida contra o Sampaio Corrêa, pela Copa do Nordeste. O veículo foi danificado e jogadores ficaram feridos. O goleiro Danilo Fernandes foi o caso mais grave e por muito pouco não perdeu a visão.

O governador Rui Costa chegou a se manifestar sobre o ocorrido, determinou apuração imediata e pediu julgamento severo da Justiça. No entanto, até o momento, a decisão da Polícia Civil foi branda.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas