Escritura antiga sinaliza que Gugu e Rose não tinham união estável

brasil
08.03.2020, 19:06:00
Gugu e Rose (reprodução)

Escritura antiga sinaliza que Gugu e Rose não tinham união estável

Em documento de 2012, médica se declarava solteira

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma informação em uma escritura de um imóvel pode causar reviravolta na disputa pela herança do apresentador Gugu Liberato. A informação é do jornalista João Batista Jr, da Revista Veja.

Na sexta-feira (6), foi anexada uma escritura de 2012 que oficializa a doação de uma casa de Alphaville de Gugu para Rose Miriam di Matteo com seis suítes e valor venal de 1,8 milhão de reais. Rose viveu naquele imóvel com os três filhos.

Mas é uma informação que aparece na certidão que pode ter relevância no processo: ali, Rose, que é médica, aparece como “solteira, segundo declarou, sem manter relacionamento”. Num outro trecho, Gugu e Rose reconhecem que “que estão ligados tão e somente como pais e, portanto, são responsáveis pelo bem-estar dos filhos”. As informações podem prejudicar a defesa de Rose, que reivindica sua parte na herança.

Existe um acordo de 2011 em que Gugu e Rose se diziam amigos e unidos apenas na condição de pais dos filhos. O mesmo acordo acertava sobre os custos de Gugu com as despesas da família, entre outras coisas. No entanto, o atual advogado da médica, Nelson Williams, alega que sua cliente estava em depressão e não tinha plena consciência da relevancia daquele acordo.

Mas o novo documento, em que Rose e Gugu reafirmam não formar um casal, é de um ano depois, quando ela já estaria recuperada da depressão.  O espólio de Gugu acredita, assim, ser um ponto final no processo de reconhecimento de união estável. Ainda de acordo com a Veja, esse texto derruba duas teses da Dra. Rose: de que Gugu não deixou nada para a mãe dos filhos e de que entre os dois não houve nada além de um acordo para terem filhos juntos. Procurado, Dilermando Cigagna Jr., advogado do espólio, não quis comentar o assunto e diz se manifestar apenas nos autos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas