Esgoto invade casas de gêmeas modelos em Simões Filho: 'já subiu mais de 1 metro'

bahia
27.03.2020, 05:00:00
Atualizado: 27.03.2020, 06:27:59

Esgoto invade casas de gêmeas modelos em Simões Filho: 'já subiu mais de 1 metro'

Moradores da Ilha de São João reclamam de descaso; situação já dura 7 anos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Acervo Pessoal

Sempre que chove é o mesmo problema: a água de esgoto não é escoada através dos bueiros entupidos e começa a invadir casas na Travessa da Paz, no bairro Ilha de São João, em Simões Filho, Região Metropolitana de Salvador. Segundo os moradores, entre eles Sandra Weydee, 37 anos, e as gêmeas Verena e Valentina, 3, a situação já dura pelo menos sete anos.

A prefeitura já foi procurada diversas vezes para resolver o problema e chegou a enviar uma engenheira ao local alguns meses atrás. Mas, de acordo com Sandra, nada mudou desde então, e nenhum órgão municipal voltou a entrar em contato. 

O CORREIO tentou entrar em contato com a Prefeitura de Simões Filho através da sua assessoria e dos telefones disponíveis no site oficial, mas não obteve resposta até o fechamento da reportagem.

Enquanto o poder público não resolve o problema, os moradores continuam sofrendo com os prejuízos, mau cheiro e risco de serem infectados por alguma doença trazida com a água poluída.

"A gente não consegue comprar nada. Nem um guarda-roupa, uma cama, pois sabe que vai perder quando chover. Tem casa que a água bate mais de um metro. Sempre é esse problema quando chove, aí eu tenho que colocar minhas filhas em um lugar alto para poder limpar e enxugar toda a sujeira", lamenta Sandra, que sofre ainda mais por ver as filhas Verena e Valentina expostas à situação.

Foto: Marina Silva/Arquivo CORREIO

A moradora, inclusive, já chegou a construir batentes ao redor da casa para impedir a entrada do esgoto, mas foi em vão, pois agora ele entra pelo vaso sanitário e pias.

"E o pior é que na prefeitura essa rua aparece como se fosse asfaltada e nem isso é. Ou seja, a gente paga mais caro por algo que nem temos", reclama.

*Com supervisão da editora Mariana Rios.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas