'Estavam felizes', diz parente de baianos mortos ao usar churrasqueira contra o frio

bahia
11.07.2019, 18:45:00
Atualizado: 11.07.2019, 19:32:49
Informações preliminares apontam que os três teriam morrido por asfixia (Foto: Acervo da família)

'Estavam felizes', diz parente de baianos mortos ao usar churrasqueira contra o frio

Casal e filho moravam em Guarulhos (SP); enterro será em Ipiaú, na Bahia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os três anos que passaram em Guarulhos, na Grande São Paulo, vinham sendo animadores para o pedreiro Uildes Lima Moreira, 27 anos, e a dona de casa Gilmara Moreira, 20.

Foi nesse período que o casal de baianos iniciou a mudança para o Sul do país com o pequeno Breno, 2, e estava feliz com as coisas que vinha conquistando, conforme relatos de parentes que permaneceram em Ipiaú, no Sul da Bahia.

A expectativa de dias cada vez mais prósperos, no entanto, foram interrompidos de forma trágica na última segunda-feira (8), quando a família morreu por asfixia. Os corpos foram achados um dia depois, dentro da casa em que os três moravam. 

De acordo com investigações preliminares, pai, mãe e filho morreram asfixiados após deixarem uma churrasqueira acesa dentro de casa para se proteger do frio. Na madrugada de domingo para segunda-feira a temperatura chegou a marcar 5ºC, em Guarulhos.

Ao CORREIO, o mecânico de motos Luís Carlos, 46, tio de Uildes, contou que o seu sobrinho foi o primeiro a se aventurar por São Paulo.

Gilmara estava grávida na época e ficou em Ipiaú. Após o nascimento do pequeno Breno, mãe e filho embarcaram rumo à capital paulista.

Ao ir para São Paulo, o trio repetiu uma 'tradição familiar'. É por lá também que moram o pai, dois irmãos e uma prima de Uildes. Coube a esta última, que é filha de Luís Carlos, a missão de dar a trágica notícia aos familiares que ficaram em Ipiaú.

"Aqui está todo mundo extremamente abalado. Minha irmã, mãe de Uildes, está péssima. E como aqui é um munícipo pequeno, onde todo mundo se conhece, estão todos sentidos. Sempre vem alguém aqui na porta de casa desejar condolências", conta Luís Carlos.

De acordo com o tio, os três estavam bem em São Paulo e há poucos dias ligaram para a família contando da felicidade. Uildes estava com emprego fixo, como pedreiro, e o trio não passava por dificuldades.

(Foto: Reprodução)

Os três corpos ainda estão em São Paulo e devem ir, de avião, até Ilhéus, no Sul baiano, nessa sexta-feira (12). De lá, serão levados, de carro, até Ipiaú, numa viagem de 136 km. O enterro acontecerá na cidade no sábado (13).

*Com orientação do chefe de reportagem Jorge Gauthier.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas