Estudantes baianas criam pomada que auxilia no tratamento de câncer de pele

bahia
08.03.2021, 23:16:41
Atualizado: 08.03.2021, 23:24:32
(Divulgação/Secti)

Estudantes baianas criam pomada que auxilia no tratamento de câncer de pele

A Babosa Famosa, como foi nomeado o medicamento, também pode ajudar na cicatrização de queimaduras do primeiro ao terceiro grau

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A partir do potencial da Aloe Vera, popularmente conhecida pelos brasileiros como “babosa”, um grupo de estudantes do Colégio Estadual Duque de Caxias, da cidade de Barreiras, no Oeste da Bahia, decidiram pesquisar meios de utilizar a planta em um tratamento para o câncer de pele, além de cicatrização de queimaduras.

Os estudos começaram em julho de 2020, remotamente, durante a pandemia da Covid-19, como forma e incentivo de continuar as rotinas de aprendizado mesmo longe da sala de aula. As jovens estudantes estão desenvolvendo uma pomada, denominada como Babosa Famosa, que irá auxiliar no tratamento do câncer de pele e na cicatrização de queimaduras do primeiro ao terceiro grau. 

Por esta pesquisa, o projeto está entre os finalistas da 19ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), realizada na Universidade de São Paulo (USP). De acordo com a estudante do 3º ano do Ensino Médio, Sabrina Bomfim, o produto é um meio de inclusão social por ter a base de uma planta que é facilmente encontrada no Brasil. 

“Escolhemos a babosa pela riqueza em benefícios medicinais que proporcionam relaxamento e acelera a cura de problemas na pele, devido ela ser uma planta de fácil acesso, o que irá beneficiar a população de baixa renda, pois, será um medicamento de baixo custo”, afirmou, destacando que o projeto está em fase de desenvolvimento e busca por parcerias com laboratórios para a realização de mais testes.
 
Sabrina contou que o experimento, inicialmente, ganhou o incentivo do projeto Meninas nas Ciências, que é coordenado pela Universidade Federal Do Oeste da Bahia. “A nossa escola está no núcleo de desenvolvimento de pesquisas, que tem por objetivo a inserção de meninas no campo da pesquisa e extensão”, afirmou a estudante. Além de Sabrina, outra estudante da mesma escola, Cecília Leitão, também faz parte do projeto.
 
A professora das alunas, Stefani Laira Ferreira, diz que esses projetos estimulam a carreira dos jovens em entrar na vida acadêmica após a conclusão do ensino médio.

“É de suma importância fomentar a pesquisa e extensão desde a Educação Básica, e que os produtos gerados por essas jovens pesquisadoras possa gerar o estímulo pelo fazer ciência, atrelando essas pesquisas à melhoria da qualidade de vida, incentivo de toda a comunidade escolar, fortalecendo o poder transformador que uma educação de qualidade pode gerar, principalmente no sentimento de pertencimento e geração de sonhos que esses projetos podem desenvolver”, afirmou Stefani.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas