Estudo identifica corticoide que reduz mortes de pacientes graves com covid-19

coronavírus
16.06.2020, 11:34:00
Atualizado: 16.06.2020, 11:39:49
(Arquivo AFP)

Estudo identifica corticoide que reduz mortes de pacientes graves com covid-19

Resultados de pesquisa britânica ainda são preliminares, mas promissores

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Pesquisadores britânicos anunciaram nesta terça-feira (16) um estudo que aponta um medicamento barato e de boa disponibilidade que pode ajudar nos casos graves de doentes com covid-19. Os dados ainda são preliminares, mas foram vistos com animação. O medicamento é um tipo específico de corticoide comum.

"Os resultados preliminares do estudo Recovery são muito claros -- o remédio reduz o risco de morte em pacientes com complicações respiratórias graves. A covid-19 é uma doença global -  é fantástico que o primeiro tratamento que demonstradamente reduz a mortalidade esteja instantaneamente disponível em todo o mundo", diz Martin Landray, professor de medicina e epidemiologia do Departamento de Saúde da População da Universidade de Oxford, um dos líderes do estudo.

Os cientistas prometem publicar os resultados completos do estudo em breve. Foram mais de 2 mil pacientes que receberam o medicamento e foram comparados a 4.300 que tiveram o tratamento até então usado, combinando outros remédios.

Para os pacientes que estão usando respiradores, o risco de morte cai de 40% para 28%. Entre os que recebem oxigênio, a chance de morrer se reduziu de 25% para 20%. Para pacientes mais leves não houve constatação de melhora.

Para os cientistas, caso a droga tivesse sido usada nos pacientes com covid-19 no Reino Unido desde o princípio, até 5 mil pessoas que morreram teriam sido salvas.

“É um resultado muito bem-vindo”, disse outro líder do estudo, Peter Horby, da Universidade de Oxford. “O benefício para sobrevivência é claro e alto em pacientes que estão doentes a ponto de terem que receber tratamento com oxigênio, então esse deve ser o padrão de cuidado nesses pacientes”, completa.

O estudo que identificou o sucesso com esse corticoide já foi feito com outros medicamentos, incluindo a hidroxicloroquina, usada contra a malária, e não encontrou benefícios no uso contra a covid-19.

Atualmente, no Reino Unido, cerca de 19 de 20 pacientes com coronavírus se recuperam sem serem internados em hospital, segundo dados da BBC. Dos que são internados, a maioria também se recupera, mas alguns podem precisar de oxigênio ou ventilação mecânica. O medicamento deve ajudar nesse último caso.

Esse remédio já é usado para redução de inflamação em várias outras doenças. Também ajuda a interromper danos possíveis ao sistema imunológico. A reação do corpo para tentar derrotar o coronavírus muitas vezes é exagerada, o que acaba podendo ser fatal - fenômeno conhecido como tempestade de citocina. O medicamento ajuda a interromper os danos ao sistema.

O medicamento que tinha tido até agora melhor resultado contra a covid-19 era o antiviral remdesivir, que reduzia o tempo de tratamento. O corticoide identificado pelos cientistas é o primeiro a diminuir a mortalidade nos casos graves.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas