Estudo refuta ideia de que beber em baixa quantidade faz bem

bazar
08.04.2019, 16:27:34
Estudo foi feito pela Universidade de Cambridge em parceria com duas faculdades chinesas (Foto: Reprodução/Shutterstock)

Estudo refuta ideia de que beber em baixa quantidade faz bem

Pesquisa afirma que ingestão moderada de álcool aumenta a pressão sanguínea e risco de derrame

Uma das desculpas que se usa para beber acaba de perder a validade: um estudo afirma que a teoria de que o consumo moderado de álcool "protege"  as pessoas contra acidentes vasculares cerebrais (AVC) é falsa. De acordo com a pesquisa, o efeito é inverso: a ingestão de álcool "aumenta diretamente" a pressão sanguínea e o risco de derrame.

A investigação, desenvolvida por especialistas da Universidade britânica de Oxford, da Universidade de Pequim e da Academia Chinesa de Ciências Médicas e publicado na revista científica 'The Lancet', acompanhou durante cerca de 10 anos, através de registros hospitalares e de mortalidade, 512.715 pessoas da Ásia Oriental, dos quais 210.205 eram homens e 302.510 mulheres.

Após observação dos dados coletados, os cientistas apresentaram "novas provas" que "contestam" a hipótese de que beber moderadamente pode proteger contra o risco de AVC.

Cadastre seu e-mail e receba novidades de gastronomia, turismo, moda, beleza, decoração, pets, tecnologia e as melhores coisas de Salvador e da Bahia:

Em 161.498 dos mais de 500 mil participantes, os investigadores mediram as duas variantes genéticas, a ALDH2-rs 671 (variante que retarda a quebra de etanal, produto da metabolização do etanol no organismo e a substância responsável pela ressaca) e ADH1Brs1229984 (variante que acelera a conversão de álcool (etanol) para etanal), e concluíram que as variantes "diminuíram a ingestão de álcool" assim como "diminuíram a pressão arterial e o risco de derrame".

"Os investigadores concluíram que o álcool aumenta o risco de acontecer um derrame em cerca de um terço (35%) por cada quatro doses adicionais por dia (280 gramas de álcool por semana), sem efeitos protetores associados a ingestão leve ou moderada", aponta o estudo.

O comunicado acrescenta que cerca de dez mil dos homens que foram acompanhados no decorrer da investigação "tiveram um derrame" e que dois mil "tiveram um ataque cardíaco", ao contrário das mulheres.

A pesquisa estima ainda que, entre os homens chineses, o álcool é a causa de 8% dos coágulos no cérebro, assim como de 16% das hemorragias no cérebro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas