Falsa jurista Cátia Raulino é presa em Florianópolis

salvador
25.03.2021, 13:42:00
Atualizado: 25.03.2021, 15:09:04
(Foto: Nara Gentil/Arquivo CORREIO)

Falsa jurista Cátia Raulino é presa em Florianópolis

Ela foi indiciada pelos crimes de estelionato, falsificação de documento público e falsidade ideológica

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A suposta jurista Cátia Regina Raulino foi presa nessa quarta-feira (24) na cidade de Florianópolis, em Santa Catarina. Ela é investigada por exercício ilegal da profissão e por plagiar trabalhos de alunos em Salvador.

Após ser presa, Cátia Raulino, que dizia ser formada em Direito, com mestrado, doutorado e pós-doutorado, mas nunca apresentou documentos comprovando, foi levada para a sede da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) da cidade catarinense, onde está custodiada. Ela aguarda transferência para a capital baiana.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações apontaram que a falsa jurista havia fugido para Florianópolis. O inquérito foi encaminhado à Justiça em outubro do ano passado pela 9ª Delegacia (Boca do Rio), em Salvador, e ela foi localizada após um contato da polícia baiana com a catarinense.

“No cumprimento do mandado de busca e apreensão, descobrimos que ela havia fugido para outro estado. Nas investigações entramos em contato com a Superintendência de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública de Santa Catarina, onde ela foi localizada e o mandado de prisão, cumprido”, informou o titular da 9ª Delegacia, delegado Antônio Carlos Magalhães Santos.  

Cátia Raulino foi indiciada pelos crimes de estelionato, falsificação de documento público e falsidade ideológica. 

Ela passou a ser investigada em agosto do ano passado, após uma denúncia de alunas de uma faculdade particular em Salvador, que disseram ter sido plagiadas. 

Quando foi chamada para apresentar à polícia os documentos de que era formada em Direito, a mulher não forneceu os documentos. Além disso, a polícia informou que as universidades onde ela diz ter feito os cursos negam que ela tenha concluído as graduações.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas