Feira de gestante tem itens a partir de R$ 2,99; veja como economizar no enxoval

bahia
09.01.2019, 05:00:00
Atualizado: 09.01.2019, 10:24:48
(Arisson Marinho)

Feira de gestante tem itens a partir de R$ 2,99; veja como economizar no enxoval

Evento, que acontece na Fonte Nova, irá até domingo (13)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Comer melhor, praticar exercícios físicos, viajar mais. Janeiro costuma ser o mês em que todas as metas para o ano inteiro são anotadas no papel e algumas já começam a ser colocadas em prática. Se um desses seus planos é ter um filho em 2019, é bom começar a se programar e juntar dinheiro. Isso porque, só nos três primeiros meses de vida do bebê, você pode ter que desembolsar de R$ 2 mil a R$ 5 mil só com vestuário.

Mas calma. Isso é um valor estimado para quem não vai ganhar nada de presente - o que não acontece na maioria dos casos. Se você tiver ajuda dos amigos e parentes com roupas, sapatinho e outros itens, vai ser muito mais barato. Tudo depende do estilo de cada consumidor.

Mais um alento: quem não quiser se entregar às lojas especializadas de grandes centros comerciais, que costumam cobrar caro, pode recorrer às feiras especializadas para gestantes, onde os preços são muito menos salgados. É o caso da Mega Feira Gestante, que começou nesta terça-feira (8), na Arena Fonte Nova, e reúne 60 lojas de artigos para recém-nascidos, crianças e mamães. O evento acontece até o próximo domingo (13). Outras duas edições do evento já estão programadas para acontecer este ano em Salvador, uma em maio e outra em setembro.

Feira oferece vários tipos de roupas para bebês de todas as idades (Foto: Arisson Marinho)

Os itens são muitos: desde pomada para assaduras até móveis para montar um quarto. A proposta da feira, inclusive, é justamente essa: reunir em um só lugar tudo o que os pais procuram para seus bebês, com a vantagem de um preço muito mais baixo.

Organizador da feira e pai de duas meninas, Bruno Batista fala sobre os gastos que teve quando se tornou pai.

“Todas as roupinhas que são necessárias para os primeiros três meses devem dar em torno de R$ 5 mil. Claro que se a pessoa quer economizar e quiser fazer um enxoval menor, ela consegue a partir de R$ 2 mil. Mas temos que lembrar que esse valor todo inclui roupa para sair, manta, roupa para calor, todas as roupinhas”, justifica.

Batista destacou que as roupas são apenas a primeira parte dos gastos. Há ainda os gastos com o quarto do bebê, com itens como, por exemplo, berço, colchão, cômoda e armário. Para a montagem do novo cômodo, ele estima que o valor mínimo gasto é de R$ 900. “Fora carrinho, bebê conforto, bolsa para levar as roupinhas e comidas, mordedor, fraldas, entre outros”, lembrou.

Um dos maiores gastos é com fralda. Em média, um recém-nascido gasta oito fraldas por dia, o que corresponde a 240 unidades por mês. Um pacote de fraldas de qualidade, com 40 unidades, custa cerca de R$ 40. Como são gastos seis pacotes mensalmente, os papais desembolsam em torno de R$ 240.

As fraldas costumam ser a maior reclamação dos papais e mamães. Para outros, o que pesa no bolso é o leite em pó. São necessários, no mínimo, quatro potes de 800g por mês. A média é de R$ 50, o que significa um gasto mensal de R$ 200.

Geisa está grávida de cinco meses (Foto: Arisson Marinho)

A administradora Geisa Santos, 27, está com cinco meses de gravidez e terá um menino. Ela é mãe de primeira viagem e está ansiosa. “Eu já tenho o quartinho todo pronto. Para fazer a lista de roupinhas, eu procurei na internet mas também tive ajuda da minha mãe, da sogra, de amigas”, contou.

Uma das estratégias de Geisa para poupar dinheiro é pesquisar bastante. Além disso, a mãe dela, que é costureira, fez algumas das peças do enxoval, como lençol e manta.

“É uma forma de economizar. Tem que fazer as contas, a listinha. Para fazer o quarto, por exemplo, eu pesquisei e comprei tudo pela internet. Como me antecipei, tudo já chegou e já está pronto”, explicou a administradora, que foi junto com a mãe Carmem Pereira, 62, para a feira.

A dentista Aline Samia, 28, engravidou após 10 anos de casamento. Com sete meses de gestação, ela foi à feira para comprar o que faltava para sua menininha. Para fazer as compras, a vovó da criança também ajudou. “Nós fomos economizando de outros lugares para fazer o enxoval. Se a feira estiver em um valor bom, podemos comprar logo tudo que falta aqui”, disse.

Tomás Machado, 25, é pai de Theo, de um ano. Ele admite que não tinha planejado ter filhos por agora, nem imaginava a quantidade de gastos mensais, mas tem conseguido se sair bem. “O maior gasto da gente é com as fraldas mesmo. O restante, os parentes ajudam muito e a gente consegue seguir”, disse ele, que gasta R$ 140 mensalmente com fraldas.

Setor
A expectativa de movimentação do varejo de vestuário infantil e bebê para 2018 foi de R$ 52 bilhões, receita 5,3% maior do que o ano de 2017. Os dados são do instituto de pesquisas Iemi (Inteligência de Mercado Pesquisas de Mercado e Estudos de Mercado). A estimativa é que 1,5 bilhão de peças tenham sido comercializadas no ano de 2018.

Mega Feira Gestante oferece peças a partir de R$ 2,99 (Foto: Arisson Marinho)

O lojista Rogério Tomás, de Curitiba, trabalha na área de vestuário infantil há sete anos. Ele tem um stand na Mega Feira Gestante e afirmou que, apesar das vendas não terem subido significativamente em 2018 com relação ao ano anterior, foi melhor do que em 2016, quando a economia ficou retraída. 

“O ano de 2016 foi o pior de todos. Em 2017 tivemos uma melhora e 2018 se manteve constante. O setor é um bom mercado porque é uma necessidade. As mães precisam comprar roupinhas para os bebês. Mesmo que elas comprem menos, elas compram”, explicou. 

Rogério Tomás destacou que, para o setor, o importante é manter a clientela. “A mãe vem para cá, depois volta para comprar coisas quando o filho cresce. Traz a irmã, a prima. Então, o bom é ter essa rotatividade”.

O organizador da feira explica que, na feira, os pais se mantêm como clientes durante dois ou três anos. “Quando eles sabem que vão ter o filho, vêm para a feira e rodam tudo, mas não compram nada. Quando tem uns cinco meses de gravidez, começam a comprar, mas geralmente ainda não sabem o que vão comprar. Aí, aos 8 meses, as mães compram tudo e ficam ansiosas”, disse.

É o caso da gestante Edmisia Brito, 40, que já está com nove meses de gestação. Ela disse estar com 90% do enxoval pronto, mas comprou apenas itens para os quatro meses do bebê.

“Para não gastar tanto e comprar errado, eu e o meu marido fizemos esse planejamento. Nós já tínhamos um valor guardado, só não imaginávamos que iríamos gastar tanto”, lamentou.

Edmisia comemorou quando soube que a Feira estará em Salvador em duas novas edições. “Ah, que bom. Assim conseguimos comprar mais coisas a um preço bom”, comemorou ela, que afirmou que pagou R$ 3 mil em um berço e R$ 2 mil em um carrinho.

Brinquedos também estão em promoção (Foto: Arisson Marinho)

Confira dicas do economista Edísio Freire para gastar menos nas compras para o bebê:
1- Planejar: O planejamento possibilita programação e economia no orçamento doméstico. É importante levar uma lista com os itens que estão faltando na hora da compra. “Isso evita que você aumente muito o seu gasto mensal para o período em que estiver montando o enxoval”, disse. 

2- Pesquisar: Fazer seleção dos lugares, buscar preços competitivos, ir em lojas que não são tão famosas e frequentar lojas de rua pode garantir a economia de um bom dinheiro no final das contas. “Sair das lojas famosas e grandes shoppings vai reduzir bastante o orçamento do enxoval do bebê”, orientou Edísio.

3- Comprar o que é necessário: Lembre que a criança cresce rápido e perde as roupas facilmente. “Evite comprar uma quantidade muito grande de roupas para recém-nascido. É preciso variar para não acabar gastando sem necessidade”, lembrou o economista.

4-  Fazer chás de fralda e de bebê: Com os presentes, os pais conseguem auxílio na montagem do enxoval. “Você gasta um pouco com a montagem da festa, mas é um momento de descontração e você acaba ganhando os presentes, o que ajuda muito na montagem”, afirmou Edísio.

5- Compre fraldas aos poucos: Aproveitar as promoções e pesquisar bastante ajuda na economia na hora de comprar as fraldas. Fazer as compras aos poucos, ao longo dos meses da gestação, também ajuda a poupar dinheiro. Comprar direto da fábrica também é uma dica do economista.

Confira ofertas do Mega Feira Gestante**:
Baby Kids - Loja da Fábrica 

Calça de algodão - a partir de R$ 2,99 
Body de algodão - R$ 4,99 
Sapato - R$ 3,99 ou três por 9,99

Stand de promoção
Termômetro - R$ 14,99
Bomba de tirar leite - R$ 14,99
Colchão - R$ 79,99
Berço - R$ 249,99
Roupeiro - R$ 299,99

Cara de Madeira
Quadro para decoração - R$ 28,00 se pagar em dinheiro
Kit com três nichos - R$ 60,00 se pagar em dinheiro
Prateleira em formato de nuvem - R$ 40,00 se pagar em dinheiro

Magia e Fantasia
Mala - R$ 289,00
Bolsa - R$ 219,00
Frasqueira - R$ 129,00
Moisés (berço portátil) - R$ 249,00 

Ninas Friends
Kit 2 bolsas - R$ 259,00
Sutiã de amamentação - R$ 29,90
Camisola 100% algodão - a partir de R$ 40,00

Xandinho Baby
Lençol de elástico - R$ 24,99
Manta térmica para cobrir leito - R$ 60,99
Toalha com capuz - R$ 59,99

N de Neném
Kit meses com 12 bodys - R$ 99,90
Body - R$  10,00
2 pares de sapatinhos - R$ 10,00

Mega Fraldas
Lenço umedecido com 96 unidades - R$ 9,99
Fralda Mamy Poko com 58 unidades (P) - R$ 41,99 (promoção de três R$ 38,99 unidade)
Absorvente de seios com 24 unidades - R$ 8,99 (caixa com 15 por R$ 119,99)
Hipoglós com 80g - R$ 15,99 

Petit Bebê
Banheira - R$ 48,00
Pé de banheira - R$ 45,00
Toalha para ombro (kit com 3 unidades) - R$ 26,00
Kit mala maternidade com quatro peças - R$ 129,,99
Almofada de banho - R$39,99
Babador - R$ 10,00
Kit com luva e touca - R$ 15,00

Bebê Nana
Meia bebê com três pares - R$ 10,00
**valor pode alterar de acordo com forma de pagamento

*Integrante da 13º turma do Correio de Futuro sob supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas