Filme brasileiro Bacurau vence Prêmio do Júri em Cannes

entretenimento
25.05.2019, 15:41:00
Atualizado: 25.05.2019, 15:56:21
Cena de Bacurau, de Kleber Mendonça Filho

Filme brasileiro Bacurau vence Prêmio do Júri em Cannes

Cineasta sul-coreano Bong Joon-Ho venceu a Palma de Ouro, com Parasite

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O filme brasileiro Bacurau, dirigido por Kleber Mendonça Filho (Aquarius), venceu o Prêmio do Júri do Festival de Cannes. O longa dividiu o prêmio com o francês Les Miserables.

O Prêmio do Júri é a terceira categoria mais importante do evento. A segunda é o Grand Prix e a primeira, a Palma de Ouro, cujo vencedor será revelado ainda neste sábado (25). Na sexta-feira (24), outra produção brasileira, A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, do cearense Karim Aïnouz, venceu o prêmio principal da mostra Un Certain Regard (Um Certo Olhar), a segunda competição mais importante do festival.

O filme retrata um pequeno povoado do sertão que sofre com a morte de Dona Carmelita, uma mulher muito querida. Dias depois, os moradores percebem que a comunidade não está mais nos mapas. No elenco, está Sônia Braga, que já havia trabalhado com Kléber em Aquarius.

Vencedor

O cineasta sul-coreano Bong Joon-Ho venceu a Palma de Ouro, principal premiação do Festival de Cinema de Cannes, neste sábado, 25, pela comédia Parasite . O diretor já havia disputado o prêmio com Okja, em 2017.

Cena de Parasite, que venceu Palma de Ouro

O Grand Prix foi para Atlantique, da atriz e cineasta francesa Mati Diop, primeira mulher negra a concorrer à categoria principal em Cannes. O melhor roteiro foi o de Portrait de la Jeune Fille en Feu, de Céline Sciamma. O melhor ator foi Antonio Banderas, por sua participação em Dolor y Gloria, e a melhor atriz foi Emily Beecham, por sua atuação em Little Joe.

O prêmio de direção foi para a dupla Jean-Pierre & Luc Dardene, por Le Jeune Ahmed. Câmera de Ouro foi para Nuestras Madres, de César Diaz. A menção especial foi para It Must Be Heaven, de Elia Suleiman. E o prêmio de melhor curta foi para The Distance Between Us and the Sky, de Vasilis Kekatos. 

O festival, que começou no dia 14 de maio, contou com filmes como Radegund, de Terrence Malick, e Rocketman, de Dexter Fletcher. O filme brasileiro A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, do diretor Karim Aïnouz, venceu o prêmio de melhor filme na mostra Um Certo Olhar. Quentin Tarantino ganhou a Palma Canina por uma cena com um cachorro em seu novo filme, Era Uma Vez Em... Hollywood.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas