Filme O Círculo aborda tecnologia e privacidade

Guia
22.06.2017, 06:01:00

Filme O Círculo aborda tecnologia e privacidade

Produção baseada em livro homônimo tem Tom Hanks e Emma Watson no elenco

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Tom Hanks é o líder da empresa O Círculo, que incorporou todas as grandes corporações de tecnologia (Foto: divulgação)

A popularização do uso da internet e, especialmente, das redes sociais, despertou discussões relevantes sobre privacidade e transparência.

O Círculo, livro do americano Dave Eggers, lançado em 2013, aborda essas questões e o romance ganha agora uma versão cinematográfica, com ares de superprodução. 

No elenco, estão estrelas de duas gerações distintas: de um lado, Tom Hanks, um dos maiores astros da história; do outro, Emma Watson, revelada em Harry Potter e agora estabelecida como uma das atrizes mais populares do cinema mundial. Para completar o elenco, em um papel secundário, mais uma revelação recente: John Boyega, que foi o Finn de Star Wars: O Despertar da Força (2015).

Emma Watson é Mae, uma jovem de seus vinte e poucos anos que está cansada do trabalho nada promissor e de uma relação desgastante com o namorado, que conhece desde a infância. Para piorar, sofre com a saúde debilitada do pai, que não tem um plano de saúde.

Mas a vida de Mae parece que vai passar por uma virada quando ela recebe a notícia que foi selecionada para trabalhar na O Círculo, uma empresa que trabalha com tecnologia e que promete um futuro brilhante para ela.

John Boyega, de O Despertar da Força, ao lado de Emma Watson (foto: divulgação)

“Essa é a oportunidade dela, a saída dela. Essa é a chance dela de conseguir cuidar da família. Eu acho que ela tem uma sensação de impotência e, de alguma forma, O Círculo dá a ela um senso de autonomia e controle. E dá esperança sobre o futuro”, disse Emma Watson sobre sua personagem.

Tom Hanks não foi econômico em elogios à atriz: “Ela é focada e tem cadernos de anotação, onde anota o que as pessoas dizem. Depois, pega tudo isso e incorpora ao trabalho. Sua ética ao trabalhar é fascinante”. 

Mas, aos poucos, Mae vai descobrindo que a mega corporação de tecnologia não corresponde àquilo que ela sonhava e que a empresa não tem escrúpulos na hora de faturar alguns bilhões de dólares. O filme então ganha tons de suspense e discute os temas relacionados à privacidade dos usuários da internet.

Mas o diretor James Ponsoldt (O Fim da Turnê/2015) parece ter desperdiçado tudo que tinha: a ótima ideia,  o tema polêmico e o elenco estelar não agradaram nem público nem crítica nos EUA. Na bilheteria, o filme não passou dos US$ 20 milhões. E a crítica foi unânime considerando o filme decepcionante.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas