Gata mascote de armarinho que desabou no Dois de Julho está desaparecida

salvador
01.12.2017, 19:47:00
Atualizado: 01.12.2017, 20:40:14
Operários trabalham na demolição de parte da estrutura (Foto: Gil Santos/ CORREIO)

Gata mascote de armarinho que desabou no Dois de Julho está desaparecida

Ipanema era conhecida pela obesidade e pela indiferença com que lidava com clientes

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quem circula pela Rua do Cabeça, no bairro Dois de Julho, Centro de Salvador, já ouviu falar do Armarinho Suzi. O espaço era famoso não apenas pela diversidade de produtos, mas por causa de uma funcionária em especial. Esparramada sobre o balcão, a gata Ipanema, que estava bastante acima do peso, era a sensação da clientela. Desde que parte do prédio onde funcionava a loja desabou, na manhã desta sexta-feira (1º), a felina está desaparecida, para desespero de todos.

Ipanema era conhecida também pela expressão de indiferença quando algum cliente tentava brincar com ela. À tarde, durante a demolição de parte do edifício, várias pessoas chegaram ao local procurando notícias sobre a mascote. "Alguém viu a gatinha? Ela conseguiu escapar? Ela era linda. Super fofa, parecia um puf. Espero que tenha conseguido sair", disse uma mulher.

A gata Ipanema em 2016 (Foto: Arquivo CORREIO)

A dona de casa Denise Araújo, 26 anos, contou que Ipanema era bastante dócil e sedentária. Alguns clientes aproveitavam enquanto aguardavam os pedidos para fazer festa com o animal. Na hora de pagar a conta, se a gata estivesse sobre o balcão, era preciso carregar as compras nas mãos porque ela não se mexia. A indiferença era outro charme da gatinha.

"Ela ficava sempre ali mesmo, pelo Centro. Sempre que ia comprar linhas no armarinho ela estava no balcão ou andando no meio da gente. Acho que ela não gostava muito de andar porque, na maioria das vezes, ela estava deitada no balcão ou em algum lugar", contou a cliente, entre risos.

O desabamento aconteceu por volta das 11h. Testemunhas contaram que no momento do acidente os dez funcionários estavam na loja e havia também alguns clientes. O dono do armarinho foi quem teria percebido quando parte da parede começou a ceder e avisou às pessoas para que corressem. Todos saíram às pressas e, segundos depois, a fachada do prédio caiu. Ninguém ficou ferido.

O desabamento aconteceu por volta das 11h (Foto: Evandro Veiga/CORREIO)

Desabamento 
Engenheiros da Defesa Civil de Salvador (Codesal) estiveram no local logo após o acidente, fizeram uma análise da situação e isolaram a área. Servidores da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) retiraram os ambulantes que estavam na região.

O desabamento não foi total, mas parte da estrutura que ficou de pé ainda oferecia risco de desmoronar, por isso, à tarde, funcionários da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur) iniciaram a demolição de algumas paredes.

A Rua do Cabeça é uma região comercial do Dois de Julho. Os armarinhos são o tipo de comércio mais comum, e a maioria funciona em prédios antigos. O Armarinho Suzi funcionava no mesmo edifício há 30 anos, e o terceiro piso não estava sendo usado desde que um prédio que funcionava ao lado pegou fogo. Moradores contaram que um casarão que ficava ao lado foi demolido há quase um mês e há 20 dias o terreno estava em obras. Os peritos apuram, agora, se as interferências no terreno podem ter provocado o acidente.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas