Governo da Bahia questiona dados do Ministério da Saúde sobre faltosos da 2ª dose

coronavírus
14.04.2021, 20:42:00
Atualizado: 14.04.2021, 20:42:29
(Nara Gentil/Correio)

Governo da Bahia questiona dados do Ministério da Saúde sobre faltosos da 2ª dose

Ministério disse, na terça, que 150 mil pessoas não receberam 2ª dose na Bahia. Sesab diz que conta é equivocada e que são apenas 10 mil faltosos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Secretaria Estadual de Saúde da Bahia negou, nesta quarta-feira (14), que a Bahia tenha 150 mil 'faltosos' na imunização de 2ª dose. Na última terça (12), o ministro da Saúde Marcelo Queiroga detalhou números em diversos estados, entre eles, a Bahia. 

Nas contas do Ministério da Saúde, a Bahia teria 148.877 pessoas que não completaram o ciclo de imunização contra o coronavírus com a segunda dose da vacina. No entanto, a Sesab diz que há um equívoco na contagem do Ministério e que esse número na verdade é de 10 mil pessoas no estado. Menos de 10% do número relatado pelo Governo Federal.

O prazo para a segunda dose depende do tipo do imunizante que a pessoa recebeu. Com a Coronavac, o intervalo entre doses vai de 14 a 28 dias, enquanto na vacina da Oxford/Astrazeneca, o prazo é de três meses.

De acordo com a Sesab, o que acontece é que os prazos são diferentes por conta do tipo da vacina. Logo, quem recebeu a vacina da Oxford/Astrazeneca há mais de 28 dias - prazo máximo para segunda dose no caso da Coronavac - não está em atraso.

A diretora de vigilância epidemiológica da Sesab, Márcia São Pedro, reforça a informação e diz que a conta feita pelo Governo Federal é equivocada porque não leva em consideração de qual tipo é a vacina enviada ao estado. "O dado do Ministério é divergente do nosso porque o Ministério está fazendo uma conta equivocada. Ele está, simplesmente, fazendo uma subtração das doses que ele mandou de D2 (segunda dose) para tirar as D1s (primeira dose), que já foram feitas, sem levar em consideração o período do esquema vacinal. Nós só temos nesse período desse esquema de 28 dias, que é da Coronavac, dez mil pessoas que não voltaram para a segunda dose. Eu não posso fazer um cálculo considerando a Astrazeneca (Oxford), que só foi dada a primeira dose. O esquema vacinal para segunda dose da Astrazeneca é de 12 semanas, ou seja, ainda vai acontecer a aplicação da segunda dose", diz a diretora.

O ciclo de imunização só é completado com a aplicação da segunda dose tanta da Coronavac, quanto da Astrazeneca/Oxford. Apenas pessoas com situações específicas podem atrasar o reforço da imunização. Como por exemplo, pessoas com gripes, que devem se recuperar completamente antes de tomar a segunda dose.

A médica infectologista do SAMU de Salvador, Adielma Nizarala lembra que a imunização total só é feita após o ciclo de 14 dias depois da aplicação da segunda dose. "Nenhuma vacina pode ser feita no curso de uma doença aguda. Então se a pessoa está gripada, com febre, ela deve postergar qualquer tipo de vacinação. A imunização contra casos graves só está completa após a segunda dose e depois de 14 dias dessa aplicação. Somente aí, a pessoa pode se considerar 100% imunizada contra casos graves da doença", diz.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas