Governo do Estado pede ao STF prorrogação de pagamento de dívida com o Banco Mundial

bahia
30.04.2020, 11:45:00
Atualizado: 30.04.2020, 11:46:41
(AFP)

Governo do Estado pede ao STF prorrogação de pagamento de dívida com o Banco Mundial

Prestações de agora devem ser suspensas, pede Procuradoria do Estado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Procuradoria Geral do Estado pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão e prorrogação das prestações da dívida do Estado da Bahia com o Banco Mundial (Bird). O valor médio das prestações, relativas a dois contratos, é de R$ 26 milhões.

O pedido, via ação cível originária, é para que as prestações com vencimento para 15 de abril e 15 de outubro esse ano sejam realocadas para o final do contrato, com manutenção dos mesmos encargos financeiros que são previstos em contrato.

As prestações são para pagamento de dois contratos de empréstimos firmados pelo Estado com o Bird, com garantia da União. Os valores eram para aplicação em programas nas áreas de saúde, recursos hídricos e desenvolvimento rural sustentável.

“As prestações se tornaram excessivamente onerosas para o Estado, em razão do surgimento de despesas extraordinários e imprevisíveis, da necessidade do direcionamento de recursos para a área de saúde, a fim de conter a pandemia do coronavírus e fornecer tratamento adequado à população, e da queda na arrecadação do ICMS”, explicou o procurador do Estado Jamil Cabus 

Os contratos estão vinculados à garantia prestada pela União ao Bird, e correspondente contragarantia prestada pelo Estado a União, de forma que, em caso de não pagamento de alguma parcela, a União assume o ônus perante o Bird e pode utilizar recursos próprios do Estado e transferências constitucionais para se ressarcir.

Além do pedido de suspensão das prestações, o procurador apresentou também pedido subsidiário para que a União, por si ou através do Banco do Brasil S/A, se abstenha de executar a contragarantia e de promover qualquer retenção de receitas próprias do Estado ou decorrentes de transferências constitucionais.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas