Hacker afirma que Manuela D'Ávila deu a ele o número de Glenn Greenwald

brasil
26.07.2019, 18:10:00
Atualizado: 26.07.2019, 18:26:00
(Marcelo Bertani/Agência ALRS)

Hacker afirma que Manuela D'Ávila deu a ele o número de Glenn Greenwald

Walter Delgatti Neto, o Vermelho’, garantiu que não alterou o conteúdo das mensagens

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Walter Delgatti Neto, o Vermelho’, explicou, em depoimento nesta sexta-feira (25), como conseguiu o contato de Glenn Greenwald. De acordo com o hacker, foi Manuela D'Ávila, ex-deputada e condidata à vice-presidente em 2018 na chapa com Haddad, quem fez a "ponte".

Ele diz ter procurado a ex-deputada, que desconfiou de seu relato sobre o hackeamento, e que chegou a enviar um áudio de procuradores da Lava Jato para convencê-la de que obteve o material.

Segundo ‘Vermelho’, após o contato com Manuela, o jornalista teria entrado em contato com ele afirmando que as conversas são de interesse público.

No depoimento, Walter contou que conseguiu o contato de Manuela através de uma lista de contatos do Telegram de Dilma Rousseff. Já o telefone da ex-presidenta foi obtido pelo celular do ex-governador do Rio de Janeiro, Pezão. Ele não detalhou a maneira com a qual teve acesso ao celular do ex-mandatário carioca.

Não remunerada
No depoimento, 'Vermelho' também voltou a afirmar que passou as conversas da 'Vaza jato' de maneira não remunerada a Glenn, que as divulgou no 'Intercept'. O hacker diz acreditar que as mensagens de Telegram não podem ser alteradas em razão do ‘formato’ do aplicativo.

Segundo ‘Vermelho’, em março de 2019, ele teria descoberto a maneira com a qual hackeou autoridades. Neste depoimento, Delgatti diz ter invadido o aplicativo Telegram de um promotor de Araraquara que o denunciou por tráfico, envolvendo apreensão de remédios em sua casa.

A partir da conta do promotor, acessou um grupo de Procuradores da República. Em seguida, teria acessado o ex-procurador-geral Rodrigo Janot, e, em seguida, de três procuradores da força-tarefa da Lava Jato, como o coordenador Deltan Dallagnol.

No depoimento, segundo a Globonews, ‘Vermelho’ declarou que não editou o conteúdo das contas de Telegram que teve acesso. À PF, ele disse que a partir da agenda do Telegram do procurador Deltan Dallagnol, teve acesso aos números telefônicos do ministro Sérgio Moro, do desembargador do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), Abel Gomes, e do juiz federal Flávio Lucas, da 18ª Vara Federal do Rio. ‘Vermelho’ afirmou que não acessou o conteúdo do Telegram de Sérgio Moro e dos magistrados federais.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas