Homem é preso suspeito de praticar estupro virtual no Piauí

brasil
10.08.2017, 17:31:30
Atualizado: 11.08.2017, 01:13:40
(Pixabay)

Homem é preso suspeito de praticar estupro virtual no Piauí

O homem chegou a obrigar a ex-namorada a se masturbar com o uso de vibradores e a introduzir outros objetos na vagina, enquanto registrava imagens em outro computador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um homem de 34 anos foi preso há uma semana em Teresina (PI) pelo crime de "estupro virtual". Essa é a primeira prisão no Brasil por esse tipo de comportamento nas plataformas online, segundo informado pela Secretaria de Segurança Pública do Piauí.

O "estupro virtual" não está previsto no Código Penal, mas o rapaz acabou sendo enquadrado pelo artigo 213, que condena o  estupro e prevê a prisão de quem obriga outra pessoa a praticar qualquer tipo de ação de cunho sexual, contra sua vontade, por meio de ameaças ou uso de violência.

De acordo com o responsável pela investigação, o delegado Daniell Pires Ferreira, da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, o acusado teve um relacionamento com a vítima há 5 anos e fotografou a parceira nua enquanto ela dormia. 

O acusado, que é técnico em informática, criou um perfil falso em uma rede social e passou a chantagear a vítima alegando que divulgaria as imagens para a família e amigos caso a mulher, de 32 anos, não mandasse mais imagens íntimas. O homem chegou a obrigar a ex-namorada a se masturbar com o uso de vibradores e a introduzir outros objetos na vagina e, no mesmo instante, registrava tudo do outro lado. 

Nos últimos meses, o homem criou um outro perfil fake, se passando pela vítima. No novo perfil ele publicou todo o material coletado junto com fotos do filho e da família da mulher, aumentando o grau de exigência de mais "nudes".

Assustada, a mulher procurou a polícia, que começou as investigações. Por meio de uma ordem judicial, os investigadores rastrearam o IP do computador e chegaram até a casa do técnico.

O delegado ressaltou que o crime se caracteriza como estupro, mesmo que tenha ocorrido sem a presença física do agressor. "É um estupro ocorrido em ambiente virtual", explicando que o crime se consolidou quando o homem obrigou a mulher a praticar consigo mesma o ato sexual. 

"Ela foi ameaçada, foi constrangida mediante grave ameaça para manter ato libidinoso. Isso caracteriza o crime de estupro", destacou. Através das provas encontradas nos computadores e celulares do técnico, a Justiça determinou a prisão provisória do técnico por 30 dias.

O acusado confessou os atos, e disse que só estava "brincando" com a ex. Contou também que ficou inconformado com fato de ela não ter aceitado manter o relacionamento, que havia durado apenas duas semanas. No computador dele, polícia encontrou um arquivo com mais de 50 mil fotos de mulheres nuas e agora investiga se há mais casos de crimes virtuais.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas