Incêndio criminoso em barraco no Porto da Barra deixa uma vítima em estado grave

salvador
16.08.2021, 18:59:00
Atualizado: 16.08.2021, 19:37:08
(Nara Gentil/CORREIO)

Incêndio criminoso em barraco no Porto da Barra deixa uma vítima em estado grave

Suspeito de atear o fogo não foi identificado e conseguiu fugir

Um barraco que estava instalado no marco zero do Porto da Barra pegou fogo no fim da tarde desta segunda-feira (16) após ser alvo de um atentado realizado por um suspeito que não foi identificado e conseguiu fugir da cena do crime. De acordo com moradores da região, o barraco, que estava ocupado por Ana Paula Franzosi e Edilson Silva Souza, casal em situação de rua, foi tomado rapidamente pelas chamas, ferindo os dois e deixando a mulher em estado grave, 

Um morador da Barra, que presenciou o início das chamas, não chegou a ver quem seria o autor do crime, mas conversou com o homem que estava no barraco. “Eu não vi quando atearam fogo, mas vi quando o incêndio ainda estava no começo. Foi um atentado contra eles, jogaram fogo no barraco. Eu falei com o cara que sobreviveu e ele falou que foi alguém que botou fogo, mas que na hora não conseguiu correr atrás pra ver quem era”, conta.

ATENÇÃO! IMAGENS FORTES

(Nara Gentil/CORREIO)
(Nara Gentil/CORREIO)
(Nara Gentil/CORREIO)
(Nara Gentil/CORREIO)
(Nara Gentil/CORREIO)
(Nara Gentil/CORREIO)

Ainda segundo o morador, tanto o homem quanto a sua companheira foram atingidos pelas chamas, sendo que ela parecia estar com queimaduras mais graves. “Eu até falei com ele que contou isso pra o pessoal que perguntou, mas ela estava em um estado muito debilitado, parecia que, pelo menos 70% do corpo tinha sido atingido, foi muito feio mesmo”, lembra.

Vítimas foram levadas para o HGE (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Procurada, a Guarda Civil Municipal (GCM) afirmou que suspeita que as vitimas eram ambulantes que estavam descansando em meio aos seus pertences quando uma pessoa ateou fogo no local. A GCM também informou que não tem informações sobre suspeitos e que as vítimas foram socorridas pelo Samu e levadas ao Hospital Geral do Estado (HGE).

A Polícia Militar da Bahia (PM-BA) também foi procurada pela reportagem para falar sobre o ocorrido, mas não retornou até a publicação desta matéria.

*Com orientação da subchefe de reportagem Monique Lôbo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas