Inflação fecha em 2,14% na RM Salvador em 2017

minha bahia
10.01.2018, 12:04:50
Atualizado: 10.01.2018, 12:09:02
(AFP)

Inflação fecha em 2,14% na RM Salvador em 2017

Índice medido pelo IPCA é o menor desde 1998

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A inflação oficial na Região Metropolitana de Salvador fechou 2017 em 2,14%, abaixo da média nacional (2,95%) e a 4ª variação mais baixa entre as 13 áreas pesquisadas. 

Tanto a inflação de dezembro (0,10%) quanto a de 2017 (2,14%) foram as mais baixas na região em quase 20 anos - desde 1998, quando o IPCA teve deflação de -0,18% em dezembro e fechou o ano em 1,90%. No último mês do ano passado, o IPCA na RM Salvador foi menor que a média nacional (0,44%) e a mais baixa variação positiva entre as 13 áreas pesquisadas, acima apenas da deflação registrada na RM Belém (-0,18%). 

Em contrapartida, no ano passado, a inflação foi mais alta em Brasília (3,76%), Goiânia (3,76%) e na RM São Paulo (3,63%). Já os índices mais baixos foram os da RM Belém (1,14%), da RM Belo Horizonte (2,03%) e do município de Campo Grande/MS (2,11%).

Outros setores

Dos nove grupos de produtos e serviços que compõem o IPCA, seis apresentaram aumento, na Região Metropolitana de Salvador em 2017.Com os maiores aumentos mensais, os custos com Transportes (0,68%), Vestuário (1,19%) e Saúde e cuidados pessoais (0,36%) exerceram, nesta ordem, as principais pressões de alta na inflação de dezembro na RMS. 

As passagens aéreas (21,1%) e a gasolina (1,22%) foram os itens que, individualmente, mais contribuíram para o aumento da inflação de dezembro em Salvador. No grupo Vestuário, as roupas em geral (1,63%) tiveram impacto importante; e no grupo Saúde e cuidados pessoais, a principal pressão veio dos planos de saúde (1,04%). 

Por outro lado, as despesas com Habitação (-1,06%), Alimentação e bebidas (-0,10%) e Comunicação (-0,24%) tiveram deflação em dezembro e, com isso, ajudaram a conter o IPCA do mês na RM Salvador. 

Dentre os gastos com moradia, os recuos mais importantes vieram da energia elétrica (-5,56%) e do gás de botijão (-0,89%). Já a retração do grupo Alimentação foi influenciada principalmente pela redução dos preços da alimentação fora de casa (-0,85%), já que a alimentação no domicílio teve alta em dezembro (0,25%). 

Habitação e Transporte

No ano de 2017, a inflação na RM Salvador (2,14%) foi puxada por gastos com Habitação (5,91%) e Transportes (3,08%). 

Entre as despesas com moradia, destacam-se aquelas com aluguel e taxas, que aumentaram 6,43% em 2017. Nesse grupo está a taxa de água e esgoto, que, com variação de 18,12% no ano passado, foi o item que, individualmente, mais puxou a inflação da RM Salvador para cima. 

Também foi importante no grupo Habitação o aumento dos combustíveis e energia (7,64%), influenciado pelas altas da energia elétrica (8,14%) e do gás de botijão (6,90%). 

Dentre os gastos com transportes, destacam-se aqueles com transporte público, que tiveram aumento de 6,67%, puxados pelos preços das passagens dos ônibus urbanos (9,15%); e dos combustíveis (5,66%), pressionados sobretudo pela gasolina (6,29%). 

Em 2017, na RM Salvador, os gastos com Educação (8,62%) tiveram o maior aumento, em termos de magnitude do IPCA. Foi uma variação acima da média nacional (7,11%) e a segunda maior no ano entre as regiões investigadas, abaixo apenas da registrada na Grande Vitória/ES (8,96%).

Alimentação e Bebidas

A principal influência no sentido de conter a inflação na Região Metropolitana de Salvador veio das despesas com Alimentação e bebidas, que tiveram a primeira deflação (-2,15%) desde 1997 (-1,44%) e a mais intensa desde o início do Real, em 1994.
 
Em Salvador, o recuo do grupo Alimentação e bebidas foi influenciado pela deflação da alimentação no próprio domicílio (-4,68%). Quatro dos cinco itens que, individualmente, mais puxaram a inflação de 2017 na RMS para baixo foram alimentos, liderados pelo feijão carioca (-46,71%), açúcar cristal (-15,38%) e leite longa vida (-13,13%). 

No ano passado, todas as regiões pesquisadas pelo IPCA tiveram deflação nos alimentos, sendo as mais intensas  nas RMs Belém (-4,28%), Belo Horizonte (-4,05%) e Fortaleza (-3,34%). 

Entretanto, comer fora de casa ficou mais caro em 2017. A alimentação fora do domicílio teve aumento de 3,88%, puxada pelas refeições (almoço e jantar), que aumentaram 5,61%. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas