Informação não tem preço... ainda mais em uma pandemia

tecnoporto
19.11.2020, 14:16:01
Atualizado: 19.11.2020, 20:15:13

Informação não tem preço... ainda mais em uma pandemia


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Durante a nona edição do Fórum Anual de Inovação para a América Latina e Caribe, promovido pela Mastercard, foi apresentada uma pesquisa feita em 13 países pela empresa em conjunto com a AMI (Americas Market Intelligence). No estudo um Raio X da mudança de hábitos dos consumidores. Um dos primeiros dados apresentados deu conta de que 46% dos brasileiros aumentaram o volume de compras online. O uso do dinheiro vivo reduziu com 57% dos consumidores usando menos dinheiro por conta da covid-19, sendo que 38% reduziram o uso do pagamento em espécie em pelo menos 20%. Outro dado apurado mostra que antes da pandemia 44% dos brasileiros pesquisados afirmaram que recorriam aos caixas eletrônicos para acessarem suas contas ou realizarem transações. Após a pandemia, esse número caiu para 27%. O hábito de ir ao banco também reduziu de 27 % antes da pandemia para 10%.

Menos desbancarizados
Um dos dados mais festejados mostrou que o número de brasileiros sem conta em banco, os chamados desbancarizados, caiu 73%. Ana Paula Lapa, vice-presidente de Produtos & Inovação da Mastercard Brasil, frisou que parte dessas pessoas, levadas ao sistema bancário pela necessidade de usar o Auxílio Emergencial vai retornar a algo como uma hibernação, parando de movimentar as contas, mas mesmo assim o ganho será importante, e complementou: “O Brasil, assim como o restante da América Latina, está em um ponto de virada para a digitalização da economia e do varejo, no qual opções de pagamento seguras e convenientes se tornaram uma prioridade”.

Plataforma para ajudar na escolha de profissões
A Unime lançou a sétima edição do Giro de Profissões, dessa vez em uma plataforma online que oferece ao aluno do ensino médio um teste de aptidão para ajudar na decisão da carreira. No teste vocacional é possível evidenciar as aptidões de cada aluno entre seis opções de perfis (artista, empreendedor, realista, convencional, investigativo ou social), e quais são as profissões do futuro que o candidato pode ter afinidade. Ao fim, ele pode agendar uma visita em uma das unidades da Universidade para saber mais sobre o curso e conhecer a estrutura.  Simone Menegardo, diretora da Unime Salvador, explica que esse recurso era oferecido presencialmente e a forma 100% on-line e gratuita foi disponibilizada durante os próximos três meses para direcionar esses estudantes do ensino médio neste momento em que muitos estão distantes de seus mestres presencialmente e, também, de feiras vocacionais que foram canceladas por conta da pandemia. Para acessar clique no link Giro de Profissões.

Empresas nadando em dados
Uma pesquisa encomendada pela Aruba, empresa da HPE, mostrou que 67% das empresas brasileiras já utilizam dados vindos das redes sociais para ajudar nas decisões do dia a dia. Embora esse número seja positivo o mesmo estudo mostra que cerca da metade das empresas que fazem esse uso assumem que há mais dados gerados do que o que conseguem utilizar. O maior obstáculo para uma exploração mais efetiva desse mundo de informação é a falta de conhecimentos em machine learning e Inteligência Artificial (51%). A falta de outras habilidades técnicas (42%) também atrapalha. Se quiser se aprofundar na pesquisa clique no link do estudo realizado pela Vanson Bourne com 2.400 tomadores de decisão de TI de 21 países, entre eles o Brasil, em maio de 2020 e que ganhou  o nome de At the Edge of Change: Navigating the New Data - “No  limite da mudança: Navegando nos novos dados”.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas