'Já aceitei que fiquei com o melhor da história, que foi a vida', diz idosa que perdeu casa para incêndio

salvador
21.09.2021, 21:24:00
Atualizado: 21.09.2021, 21:24:39
Apartamento no Cabula ficou completamente destruído por causa do fogo (Foto: Arisson Marinho/ CORREIO)

'Já aceitei que fiquei com o melhor da história, que foi a vida', diz idosa que perdeu casa para incêndio

Fogo começou enquanto ela dormia em seu apartamento no Cabula

Leonice Brito, 74 anos, viveu tempo suficiente para ter recebido muitas graças ao longo do tempo. Casou-se, acumulou filhos, netos e um imóvel no condomínio na Estrada das Barreiras, no Cabula. Nesta terça (21), viu um de seus maiores bens, seu apartamento, ser completamente destruído pelo fogo. Ainda assim, agradece por ter recebido, mais uma vez, a graça da vida.

“Estou muito abalada, mas graças a Deus, já estou com o coração mais calmo, porque recebi muita solidariedade dos amigos. Já aceitei que fiquei com o melhor da história, que foi a vida”, diz.

Com ela, só se salvaram suas roupas do corpo e sua cadela de estimação, a responsável por ter salvo a vida da dona. Leonice estava cochilando quando o fogo começou, por volta das 14h, na sala de estar. Os bombeiros foram chamados e o combate às chamas durou a noite toda. “O relatório deu perda total, fogão, geladeira, tudo. Só o quarto da minha neta que não queimou, não deu tempo”.

A neta e um dos filhos, com quem morava, não estavam em casa. Ela cochilava em um dos quartos quando percebeu a inquietude da cadelinha, que começou a latir ao ver o fogo. Ao abrir os olhos, percebeu que a televisão, antes ligada, estava com a tela apagada. “Achei que tinha faltado luz. Quando cheguei na sala, as chamas estavam tomando tudo”.

O fogo, segundo explica, teria sido gerado por curto-circuito em um fio, que estava localizado em cima do braço do sofá. Depois, tomou a casa, cuja boa parte dos móveis era de madeira.

Agora, idosa e neta ficarão na casa do filho, Lismar Sousa. Preservar a mãe, que tem diabetes e sofre de hipertensão, é o seu primeiro objetivo. "O que mais agradecemos é que ela está bem". Ela mal dormiu à noite, preocupada, mas agora a família já pensa no futuro. "Já está mais tranquila, querendo ou ou não essa estrutura familiar termina auxiliando um pouco. Mas não conseguiu pregar o olho, passou a noite toda tentando cochilar um pouco".

Depois do incêndio, uma equipe da Defesa Civil (Codesal) esteve no local para avaliar os imóveis. Em nota, a Codesal diz que após a vistoria um engenheiro identificou rachaduras na estrutura, o que levou à evacuação do imóvel atingido e mais três da vizinhança. 

A recomendação para Lismar foi contratar um engenheiro para fazer um laudo técnico que garante a segurança. Só depois disso e de uma reforma é possível pensar em voltar para o apartamento. "É o único bem que ela tem, que construiu com meu pai, ela mora aqui há mais de 40 anos", diz o filho.

A idosa e a neta estão na casa de Lismar. "Muita gente entrou em contato", diz Lismar, afirmando que com ajuda de amigos criaram uma vaquinha para arrecadar dinheiro. Quem quiser, pode ajudar clicando aqui.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas